CAPITALISMO EM PERIGO!
O que está passando actualmente com a economia dos Estados Unidos de América, foi causada
injustamente pelos muitos não sinceros habilidosos “CEOS”, Executivos Oficiais das Grandes
Empresas, e políticos que fazem da política um móbil principal para poderem enriquecer mais os
seus bolsos, sem contudo considerarem o sofrimento que infligem ao eleitorado  e a comunidade  
em geral  nos USA e praticamente no mundo inteiro.

Há um ditado que diz: - ”Quando a America espirra, todo mundo apanha constipação”.
Nos últimos anos a economia deste país tem sido muito instável a ponto de  segundo alguns
especialistas no ramo, terem projectado uma recessão económica mundial causada pela
instabilidade política e económica nacional e internacional.

A estrutura económica do capitalismo, está na livre transacção de compra e  venda.  O mercado
financeiro ou Stock Market, sofreu um colapso económico em quase todos os quadrantes,
deixando a maioria da população investidora num estado de incerteza  global jamais sentida nos
ultimos trinta anos.

Para salvar o capitalismo, presidente Bush e outros lideres da Europa, Asia, e outras partes do
mundo, injectaram ou continuam a injectar quantias astronómicas  de divisas no mercado  com a
esperança de que este movimento de declínio seja travado, e assim restabelecer novamente a
confiança na  economia livre do investimento ou no Stock Market; mas isso quase está tornando
num capitalismo/socialismo com os governos resgatando, subsidiando   e administrando as
maiores intituições bancárias de cada pais.    

Nas últimas semanas de Setembro e durante o mês de Outubro 2008, calcula-se que o mercado
económico perdeu mais de três trilhões de dollars, uma quantia tão exorbitante que até as
máquinas de computar ficaram sem espaço para registar ou mostrar nos seus ecrans essa tão
grande quantidade de cifras ou números.

O que está passando com a economia norte-americana que consequentemente está afectando a
economia mundial é o resultado de muitos factores.    

A globalização trouxe benefícios mas também   prejuízos para muitas pessoas, mas não foi só isso
que causou este estrangulamento económico; diversos factores contribuiram para isso.  

Um exemplo disso é o chamado “Out-source” aqui nos USA onde muitas empresas aproveitaram
de encomendar artigos ou produtos no estrangeiro, aproveitando de uma relativa mão de obra
barata, para depois quadriplicarem o preço desses mesmos produtos  tirando assim um lucro
exorbitante deixando outras empresas ou fábricas nacionais a fecharem as portas e forçando o
desemprego em massa originando assim um desequilibrium económico que drasticamente ou
negativamente reflecte no fraco poder de compra ou no nível de vida das pessoas trazendo assim  
caos económico para muitos.

Segundo dados de muitas agências de “Realstate” ou Bens de Raizes - propriedades móveis e
imóveis - durante os últimos anos centenas e centenas de milhares de pessoas  perderam e
continuam a perder suas casas ou propriedades ficando assim numa situação económica de
desespero, endividados ou sem créditos com poucas chances de restabelecerem ou de ter um
nível razoável de vida.

Os CEOS ou os donos dos bancos e empresas enriquecem muito mais aproveitando da perda dos
outros, por exemplo na transação de compras de casas, onde enganaram muitos compradores com
hipotecas fictícias flutuantes, inflacionarias e com promessas falsas de um apreciamento no
futuro; mas infelizmente foi tudo diferente,grandes bancos ou empresas declararam ou estão
declarando falências, outros foram absorvidos ou engolidos pelas multinacionais  e eles mesmos
começaram a cair, levando o governo a tomar medidas drásticas de nacionalizações para
salvaguardar os interesses dos empréstimos ou hipotecas contraídos e tentando salvar ou
evitando um colapso extremamente grave no mercado de compra e venda.

Numa jogada programada o Congresso e a Casa Branca  colocaram ao dispor de algumas
instituições bancárias cerca de setecentos bilhões de dollars numa tentativa de restabelecer a
confiança no mercado.

O que está passando agora  já tinha ocorrido antes na história do mercado de investimento,só que
desta vez a queda está sendo mais profunda e drástica.

Um dos mais cobiçados sonhos de um americano ou de um residente deste pais  é ter uma vida
folgada, uma casa própria, com uma família  e chance de enviar os filhos ou filhas para uma
universidade ou outra instituição de ensino superior, mas infelizmente isso está-se tornando
muito mais difícil tornando o sonho americano num pesadelo ou numa incógnita.

Pode haver uma solução para restabelecer novamente a confiança no mercado económico de
investimento, mas vai demorar algum tempo, e exigirá uma política de mudança que aliás está
sendo implementada pelo eleito Presidente Barack Obama e em colaboração com alguns membros
do Partido Republicano e do actual Presidente Bush onde todas as classes devem participar
condignamente respeitando as regras democráticas criando leis contra os mal intencionados
oportunistas que têm o único objectivo de defraudar e enriquecer à custa dos outros e dando
mais oportunidade de emprego a todas as classes sociais, criando novos empregos com novas
tecnologias e apostando cada vez mais na educação e esperar algum tempo para que o sonho
americano seja uma realidade.
Quinquim
ECONOMIA & POLITICA
Quinquim
Set 24, 2010
                           ECONOMIA & POLITICA

A onda forte da economia mundial, parece que ainda está soprando fortemente. Começou nos USA e alastrou por outros continentes,   
tudo indica que vai demorar um pouco mais a diminuir.

A Europa  com o seu Euro aparentemente forte, está sentindo a pressão dessas ondas onde os governos, estão procurando uma
maneira de escapar a pressão económica negativa, fazendo acreditar politicamente ao Povo que tudo está controlado e não aceitando a
realidade que é bem diferente.

Por exémplo, quando um país chegar a um ponto de não poder pagar as despesas e gastar mais do que está produzindo, aumenta – se o
deficit e fica com um saldo negativo,  resultando num diclínio do nível de vida da sua população e até pode levar mesmo a um caos  e a
distabilização social.

Há bem pouco tempo, assistimos o desenrolar de tudo isso num país soberano como foi o caso da Grecia que o governo praticamente,
perdeu a independência económica ficando praticamente ruinado.

O que passou  na Grecia pode acontecer noutras paragens se medidas apropriadas não forem tomadas, falando de medidas  o  
primeiro  passo,  devia ser gastar menos e não  mais do que a sua receita.

No outro lado da Europa, fica a Península Ibérica, englobando dois países históricos, Portugal e Espanha mas  de diferentes condições
económicas.

Segundo muitas fontes o governo portugues, tem estado sob pressao de alguns  partidos  politicos incentivando – o a controlar melhor a
economia,  evitando aumentar o deficit economico que está avançando com passos gigantes, aumentando a cada dia mas,  mesmo  
assim o governo diz  que tudo está caminhando bem e melhor.

Segundo o TSF um jornal on line de hoje, brevemente uma comissão europeia de fiscalização já está de malas arrumadas para Portugal
onde vai fazer uma espécie de auditoria económica, tentando envitar uma quebra total do tesouro como aconteceu na Grecia.
Analizando um pouco as relações económicas entre paises como por exémplo entre Cabo Verde e Portugal,  que por sinal até o
momento continua aparaentemente sólida -  mas que pode mudar facilmente -  em consequencia dessas nefastas ondas economicas  
que estamos presenciando.

Seria de muita importancia que  medidas economicas preventivas  reais e sólidas,  sejam implementadas o mais cedo possivel,  
evitando ou minimizando de anti-mão uma disastibilização económica que a todo/as podia ou vai afectar.

Quinquim
15 Out 2012
FRENTE A FRENTE POLĺTICO AMERICANO

Depois do primeiro debate presidencial entre Obama e Romney, em que os democratas aparentemente perderam, seguiu se o de Vice
Presidente, Joe  Biden, candidato Democrata  x  Paul Ryan, candidato Republicano, que decorreu num clima quente politico mas de muito
conteúdo em que Biden tentou dar uma visão diferente daquele que Obama apresentou no seu primeiro debate.

O segundo debate presidencial realiza-se amanha e desta vez vai ter um novo formato em que os candidatos vao responder muitas
perguntas formuladas  pela audiencia  mas mesmo assim vai ser muito mais frontal principalmente da parte democrata em que Obama vai
ter que provar e explicar duma forma diferente aos votantes tudo sobre o seu programa governanmental dos proximos quatro anos e
explicar tambem porque o programa dos Republicano do seu oponente Romney nao resultaria em vantagem ao Povo Americano.

Como era esperado, o debate político entre Joe Biden e Paul Ryan, foi mesmo muito calorado e frontal    com os candidatos praticamente
desmascarando um ao outro polticamente, usando mesmo retrógados politicos, pondo em causa suas afirmações.

Ao contrário do último debate presidencial entre Obama e Romney em que o Presidente manteve uma postura aparentemente letárgica
que lhe custou caro, perdendo vantagem nas últimas previsões politicas.

A postura, aparencia, e a linguagem corporal política de Joe Biden neste debate foi mesmo agressivo   tentando defender com unhas e
dentes a politica governamental dos últimos quatro anos e o programa eleitoral do seu boss Mr. Obama.

Mr. Biden, defendeu as decisoes tomadas pelo gabinete governamental sobre os ultimos acontecimentos na Libia em que o Embaixador
Americano Chris Stevens, e outros representantes Americanos em Benghazy, perderam suas vidas num ataque terrorista,  dizendo que ele
e o Presidente Obama, não sabiam de certos parametros da inteligencia facto que  Mr. Romney, aproveitou e qualificou de um desleixo  de
segurança nacional.

Ainda na política externa, Biden disse que as aspirações atómicas de Irão  estão a serem bem consideradas e medidas importantes estão
a serem tomadas, tendo em vista a segurança de Israel  nas regiões circunviznhas e sem descuidar de uma possível e perigosa
desestabilização politica mundial entre os interesses e hegemonia das super-potencias tendo também dito que os embargos económicos
contra Irão estão fazendo bons resultados.

Na política interna os temas foram a economia, a segurança nacional e social, criação de postos de trabalhos, e no programa central de
saúde o Obama Care, assim denominado pelos Republicanos.

Biden, depois de analizar o plano governamental da economia, frisando a salvação da industria automobilistica Americana e a criação de
empregos, explicou a descida percentual do desemprego que está agora abaixo dos 8% nível que já há muito tempo não tinha estado.

Em relação ao programa de segurança social, Medicare - Social Security e criação de empregos, Biden frisou que o programa republicano
resultaria em desvantagem a maioria da população, enquanto o programa democratico, ajudaria a perservar os ganhos da classe média e
possibilitando a  denominada classe pobre uma ascendência mais condigna.

Explicou que mais de 97% das empresas privadas que ganham anualmente menos de trezentos mil dollars, beneficiariam com um
desconto de impostos fiscais mas, por outro lado as empresas com mais de 7 milhoes de dollars anuais, os chamados milionarios e
bilionarios, pagariam impostos um pouco a mais do que estão pagando actualmente.
O candidato Republicano a vice presidente Mr Ryan, respondeu que o  programa de Mitt Romney, resultaria muito melhor para o Povo
Americano porque, daria mais opurtunidade aos bilionarios de criarem mais empregos consequentemente melhorando a economia
nacional e possibilitando assim os programas sociais como Medicare-Social Security uma maior garantia e uma melhor regularização
mas, acabaria com o plano federal de saúde Obama Care, dando aos estados o controle deste importante programa social um tema
central que os democratas acham e defendem a todo custo.

Por fim neste unico debate Vice-Presidencial, veio a tona a experiencia de debater do candidato democrata Biden,talves desta vez um
pouco salientado tendo em conta a pobre performance do Presidente Obama no primeiro debate enquanto o candidato Rublicano Ryan, um
jovem maverick e inteligente  politico sentiu mesmo agitado mas educado e um pouco aparentemente nervoso disfarçando muitas vezes
no copo de agua que estava ao seu alcance.

file:///C:/Users/quinquim/sitebuilder/sites/TOPICOSBOM/sitebuilder/preview/copy_of_economiaUSA.html
Joaquim Fontes
15 Out 2012    
   
BARACK OBAMA x  MITT ROMNEY  -  MATCH TWO

A arte de politicar é mesmo interessante baseado numa espécie de ciência de fazer entender a outra parte que mesmo incoerente
ou errado mas com perserverança e insistindo a mentira pode virar para verdade.

Foi sempre assim e continuará sendo, embora nem todos os políticos aparentemente gostam de mentir mas, no entanto a
necessidade de vencer é determinante para fazer isso.

Os advogados ou os versados na Lei, fazem a mesma coisa e muitos dizem praticamente assim: Diga me a verdade e eu
encarregarei de pôr a mentira.

Bem, seja como for a maioria está metido nisso duma maneira ou outra, quer religiosamente ou fanaticamente.

A corrida para Casa Branca nos USA, produziu mais uma vez um debate de grande evargadura politica com repercursão  mundial
entre Barack Obama, Presidente dos USA e Mitt Romney, ex Governador do Estado de Massachusetts.  Neste segundo match
político entre os dois candidatos realizado no Apollo Theater em Harlem,  Nova York  ou Grande Maçã, palco deste vedadeiro
combate politico que demostrou claramente a maneira ou a arte de fazer politica seguindo as regras democraticas deste  jogo e
num estilo bem marcante, produzindo  momentos politicamente contraditorios que deixou uma boa parte da  audiencia com
muitas enigmas sem saber mesmo onde está a verdade.

Mitt Romney e Barack Obama, prepararam intensamente para este debate, sabendo bem que o resultado final seria determinante
para mover o fiel da balança política que leva a Casa Branca.

Mitt Romney, convicto de uma boa actuação conjugado com a victória no primeiro debate,  praticamente teria o caminho aberto
para chegar lá.

Barack Obama, sofrendo e perdendo claramente o primeiro debate, sabia que a sua actuação neste segundo encontro seria fatal
para a sua candidatura se se repetisse a falha do primeiro .

Na gira futebolistica os treinadores são os grandes responsáveis para  os esquemas a serem usados no terreno e  na política,  os
acessores dos candidatos políticos são responsáveis para uma preparação ou programação mental e corporal a ser usado num
debate.

Barack Obama, desta vez demonstrou  classicamente  e firmemente como se deve enfrentar  o candidato Republicano Mitt
Romney, respondendo com a messma moeda e desfazendo as acusações politicas do seu oponente duma forma convincente e
praticamente a sua maneira.

Respondendo a muitas perguntas da plateia e da Moderadora Candy Crowley, da CNN que tentou muitas vezes controlar os
movimentos dos candidatos, lembrando lhes as regras do debate a serem cumpridas. Uma pergunta  possivelmente mais
marcante centrou se na questão da segurança,  referindo ao ataque terrorista na Libia em que o Embaixador Americano
Christopher Stevens, e outros colegas perderam a vida;  nesta questão Mitt Romney, criticou, formulou, afirmou e confirmou talves
a mentira da noite, ao declarar perante a plateia e a cerca de quase 80 milhões de espectadores que o Presidente Obama, no
segundo dia deste ataque não considerou isso como um ataque terrorista e so depois de vários dias, veio a declarar este atentado
como um acto terrorista…mas, Obama e a Moderadora  Candy Crowley, logo  desmentiram categoricamente e veridicamente que
tal afirmação era mentira porque  um dia depois do atentado num discurso no Jardim das Flores na Casa Branca, o Presidente
Obama, declarou públicamente que os acontecimentos na Líbia Bengasy foi mesmo um acto terrorista.

Abordando muitos importantes temas como a politica externa de comércio com a China, país este que segundo Mitt Romney, está
implementando uma politica económica em relação aos USA e outras nações de desigualdade, mantendo a sua moeda a um nível
baixíssimo, prejudicando assim os interesses Americanos e nao só mas,  Obama, explicou que nao é bem assim, porque o seu
governo obrigou a China a valorizar um pouco a sua moeda para um  melhor relacionamento comercial e politico.

Outras questoes centrais discutida neste debate é a maneira de criar postos de trabalhos, a segurança nacional, social, saúde e
sobretudo o déficit nacional que está praticamente incontrlolável a não ser que apareça uma politica de comprimisso e
cooperação  entre os dois partidos.

Segundo muitos especialistas na material nenhum dos programas dos dois candiados presidenciais vai poder diminuir o déficit
sem um pácto mútuo.

O programa de Barack Obama,  diz que fazendo ou implementando uma política mais social de igualdade, incentivando e
protegendo a classe media e os pequenos negócios e, taxando os chamados bilionarios a pagarem mais impostos, resultaria bom
para diminuir o déficit  nacional mas, o problema é que o número dos bilionarios não sao suficientes para resolver este dilemma a
nao ser que o imposto seja grandemente acrescido o que podia ser mesmo contra-producente.

No programa Republicano de Mitt Romney, acabando com o programa de saúde Obama Care, aumentando créditos fiscais para a
classe média e pequenas empresas, possibilitando criação de postos de trabalhos, diminuindo o desemprego  e taxando um
pouco mais os ricos isso, podia resultar para uma diminuição do déficit nacional, mas  segundo os especialistas independente na
materia  não conrresponde a verdade, dizem que nenhum dos programas apresentados, matematicamente não daria certo.

Portanto vamos conformar com os políticos a fazerem politicas,  talvés a melhor maneira de os aceitar é avaliar seus resultados
durante seus mandatos ou durante suas carreiras polçticas.

Para terminar Mr. Obama, demonstrou neste debate a sua capacidade natural de conversar e debater embora desta vez um pouco
menos natural e fortemente programado que lhe deu a victoria tangencial segundo a CNN mas, que possivelmente vai ser
suficiente para uma um ganho definitivo no proximo debate e nas urnas, a não ser que ele se repita a letargia ou camuflagem
politica do primeiro debate.

Joaquim Fontes
Randolph USA
17 Out 2012
7 Nov 2012
OBAMA MAIS UMA VEZ FAZ HISTÓRIA

Depois da grande maratona politíca para a Casa Branca, Obama faz novamente historia com um segundo mandato e desta vez com
sabor especial .

No seu discurso de concessão Mitt Romney, congratulou e desejou sucessos ao seu opositor,  prometendo sua colaboração para que
os USA continua a ser cada vez mais forte.

Presidente Barack Obama, venceu e convencou,  o Povo Americano, decidiu dar lhe mais uma oportunidade nos próximos quatro anos.
Gastaram rios de dinheiro, mais de dois bilhoes de dollars numa das mais renhidas eleições dos USA que deixou  o Povo Americano e o
Mundo praticamente consciente de uma possível realidade  duma coexistência pacifica entre todos.

A tarefa crítica herdada, e as promessas do seu próprio governo, vai ser extremamente difícil de cumprir mas, mesmo assim o
Presisidente Obama, vai usar a sua forte consistência e influencia politica para solucionar os grandes desafios que America e o resto do
Mundo tem pela frente.

Em primeiro lugar está a economia e a dramática situação de cerca de vinte milhoes de Americanos que estão sem empregos, um
dilema inaceitavel num país que é visto como lider mundial.

Em segundo lugar, esta o déficit economico governamental que se não for travado e revertido, poderá mesmo por em  perigo a
independência económica deste grande país.

Terceiro, o programa de saúde nacional, o Obama Care, vai ter um custo astronómico de suportar e sem um concenso mútuo entre os
Democratas e os Republicanos, vai ser dificil de saguentar sem um aumento do deficit nacional.

Por último está a politica emigratória e a politiica externa, dois ánglos extremamente importantes para os interesses Americanos.
A situação emigratória dos USA já está num estado praticamente crítico e explosivo, politicamente falando, sendo Obama o Presidente
que mais implementou a política de deportação e que não cumpriu a sua afirmação do priimeiro mandato de solucionar este problema  
mas que agora tudo, revela que ele tem todas as chances de solucionar este enigma social humano.

Os Latinos e outras classes ou comunidades, tiveram um papel preonderante na derrota dos Republicanos,  o governo de Obama, está
mesmo consciente deste factor e sabe bem que algo tem de ser feito brevemente para corregir esta ilegalidade emigratória e unir cada
vez mais a familia e não separa-la.

Por outro lado, na política externa a maioria dos  governos já vão poder dormirr mais descansados,  sabendo que o governo de Obama,
vai trazer mais segurança internacional e uma melhor  cooexistência pacífica entre as nações se, ele quer mesmo  deixar uma legacia
nacional e internacional neste sentido.

Joaquim Fontes
Randolph USA
17 Out 2012