Espectacular vista do Vulcao na ilha do Fogo Cabo Verde
Navega neste sentido
CVAMA ELEGEU RIGOR, RELEVÂNCIA E RELACIONAMENTO COMO PEDRAS DE TOQUE
Por Agnelo A. Montrond*, USA

Imbuído do espírito de grupo e apostado no trabalho de equipa como critério primeiro, é com redobrado sentido de responsabilidade,
abnegação, e elevada honra que assumi o cargo de Presidente da Assembleia Geral da CVAMA, cargo esse que seguramente irei exercer,  
ancorado nos conceitos filantrópicos de Rigor, Relevância e Relacionamento, em prol do empoderamento mediático da diáspora
cabo-verdiana.

A CVAMA aposta seriamente na congregação e conjugação de esforços de todos os que constituem uma mais-valia para o
empoderamento da capacidade do grupo e do seu respectivo desenvolvimento, enquadrado na sua visão e missão reflectidas no
preâmbulo dos estatutos, a saber: A Associação dos Mídias Cabo-verdianos-Americanos, CVAMA, é uma organização social sem fins
lucrativos, apartidária e arreligiosa, cuja missão é colectivamente promover e suportar um sistema de informação sustentado no seio da
Comunidade Cabo-verdiana Global. Por forma a cumprir essa missão, a CVAMA exortará a publicação de informações relevantes e
fidedignas. A CVAMA zelará pela elevação moral e observará o código da ética jornalística. Ainda a CVAMA poderá representar a Mídia
Cabo-verdiana nos Estados Unidos e apostará no empoderamento dos seus membros, proporcionando-lhes oportunidades contínuas de
formação e desenvolvimento profissional.

Inspirado nesses desideratos, por amor à Mídia cabo-verdiana-americana, cumpre-nos, cabo-verdianamente, convidar a todos os que de
forma directa ou indirecta estão envolvidos na comunicação social, para aderirem à CVAMA, e assim juntos contribuirmos, pois todos ainda
somos poucos para colectivamente darmos respostas ao ousado desafio que ora lançamos.
Em jeito de «djunta-mon», informamos as associações, organizações politicas ou comunitárias que eventualmente tenham alguma
dificuldade em noticiar os seus eventos, que encorajamo-las a enviar-nos as suas noticias, que encarregamo-nos de fazê-las chegar
atempadamente aos respectivos órgãos de comunicação social locais e/ou nacionais.

É de se referir que a CVAMA pautará seguramente por uma liderança inclusiva, orientada para resultados, ancorada nos conceitos
filantrópicos de relacionamento na horizontalidade, relevância e rigor como critérios cimeiros por que deve pugnar a nossa associação, em
prol do empoderamento mediático da diáspora cabo-verdiana, colocando os interesses da comunidade acima de tudo e de todos. Importa
enfatizar o facto de que nenhum membro da CVAMA é mais ou menos membro da CVAMA do que o prórpio membro da CVAMA. Assim
sendo, nenhum membro da CVAMA e nenhum órgão de comunicação social ao qual possa pertencer, dirigir, ou estar vinculado, deve
competir, desafiar ou escamotear o colectivo da CVAMA, incluindo a sua própria pessoa, sob pretexto algum, porque tal prática seria
manifestamente antiético.

Aproveitamos a oportunidade para publicamente agradecer a embaixadora de Cabo Verde em Washington, Dra. Fátima Veiga, que na
impossibilidade de estar presente no acto de empossamento dos dirigentes da CVAMA, se dignou em dirigir-nos a seguinte mensagem
cujo conteúdo achamos por bem compartilhar com os estimados leitores:
«Washington, DC, December 09, 2011
Senhor Agnelo Montrond
Presidente da Assembleia Geral da CVAMA
Brockton, MA
C/c:
- Senhor Carlos de Brito, Presidente do Conselho Directivo
- Senhor Carlos Spínola, Secretário da Direcção

Não podendo, como desejaria, participar no acto de empossamento dos corpos gerentes da Cape-Verdean American Media Association -
CVAMA, muito apreciaria que a mensagem que se segue fosse transmitida aos membros eleitos e aos membros presentes.

MENSAGEM

No momento em que os corpos directivos da CVAMA, recentemente eleitos, se aprestam a ser empossados, queria saudar, uma vez mais,
a criação da Associação como um passo fundamental na via da afirmação contínua, do desenvolvimento e do reforço dos órgãos de
comunicação social caboverdiano-americanos.

Aproveito o ensejo para renovar a todos os membros eleitos as minhas calorosas felicitações e os meus melhores votos de sucesso na
realização da vossa visão e dos objectivos almejados.

A conjugação de esforços e meios entre os diversos mídias que integram a CVAMA e as parcerias que já vêm sendo estabelecidas com
organizações congéneres em Cabo Verde e aqui nos Estados Unidos assumem, neste contexto, grande relevância.
Anoto, com muita satisfação, que a CVAMA elegeu a relevância e o rigor como pedras de toque do seu código deontológico, já que tais
elementos são deveras essenciais para uma informação que se quer objectiva e formativa.

Aproveito ainda a ocasiao para renovar a disponibilidade desta Embaixada e minha de com a CVAMA colaborar de forma construtiva, em
prol de uma Comunidade cada vez melhor informada e uma sociedade cada vez mais conhecedora da realidade caboverdiana.
Cordiais cumprimentos,

MARIA DE FATIMA LIMA DA VEIGA
Embaixadora»

Reiteramos os nossos agradecimentos à Embaixadora Veiga por essas sábias, motivadoras, e encorajadoras palavras.
Hoje mais do que nunca a comunicação social é um género de primeira necessidade. Aliás a comunicação, ab initio, sempre esteve
presente na vida do ser humano, quer no intercâmbio de informações, no registo de factos, no expressar de ideias e emoções, etc. O
Homem é por excelência um ser dinâmico e por conseguinte a comunicação social tem beneficiado desse dinamismo humano que abarca
os meios, as técnicas e as práticas no domínio da comunicação social. Quem não se lembra dos enormes e raros receptores rádio em
regiões recônditas de Cabo Verde, da imprensa mecânica, das enormes antenas parabólicas, etc. E nesta era moderna de informação,
comunicação e Conhecimento que vivemos, para efectivamente fazermos face aos novos desafios que teremos de enfrentar, e contribuir
para que a comunicação social cabo-verdiana seja cada vez mais rigorosa e relevante, já não éra sem tempo o surgimento da CVAMA. Pois
se por um lado a internet revolucionou a comunicação social no ciberespaço, a ética deontológica conhece novos contornos e talvez seja
necessário limar algumas arestas no que tange a liberdade de expressão, o anonimato exacerbado e os direitos humanos.

Sendo que hoje em dia, escrever, ler, ver, ouvir, criar e aprender tem uma ligação umbilical com a inteligência artificial cada vez mais
avançada na sociedade de informação, queríamos deixar bem claro que a comunicação com rigor, transparência e relevância é condição
sine qua non para o desenvolvimento das sociedades modernas.

Agnelo A. Montrond
*Presidente da Assembleia Geral da CVAMA
26 Junho 2012
Na Djarfogu é PAI ki du krê!
Pa Agnelo A. Montrond, USA

Dedikatória: N ta didikâ es vérsus a tudu eleitoris fogensi, y N ta sperâ ma es ta votâ en konsiênsia, ku intelijênsia, y ku kunfiansa na
kontinuidadi di dizenvolviméntu sustentadu di Djarfogu, pamódi si é pa piór, midjó du fikâ sima du stâ. Vótu útil é na PAI. Kes otus ka ten
ipótsi. Votâ na es? Nen Ka Bu ben Ku El!

Na Musteru é Fernandinho Teixeira ki PAICV  krê
Y ka podê ten kretxeu más sabi ki PAICV na Txon di Kafé
Undi ki tudu Tanbarina ta krê na kel ki PAICV  krê
PAICV é txabi ki ta abri pórta di Kâmara di Musteru, nos fé
//
Na Kóba Figera é Aquileu Amado ki PAICV  krê
Y ka podê ten amor ku más fidelidadi ki PAICV na Txon di nha kodé
Undi ki tudu kenha ki é Stréla  ta krê na kel ki PAICV  krê
PAICV é txabi ki ta abri pórta di Kâmara di Kóba Figera na tudu maré
//
Na Bila é Luis Pires ki PAICV  krê
Y ka podê ten ningen ki é más ki PAICV na Txon di Pêpê
Undi ki tudu kenha ki é PAICV mé-divéra  ta krê na kel ki PAICV  krê
PAICV é txabi di oru ki ta abri pórta di Kâmara di Sãu Filipi ku autorizasãu di Vitória

aamontrond@yahoo.com
http://alupeckatentadju.blogspot.com
14 Julho 2012
Institutu Pedro Pires na Bridgewater State University na Mérka
Pa Agnelo A. Montrond, USA

Tudu algen ki staba na «Bridgewater State University»  ta partisipa na ivéntu «Nos Rais» organizadu ku perísia pa Konsuladu Jeral di Kabuverdi
na Boston, superiormenti dirijidu pa Nos Kónsul, Dr. Pedro Graciano Carvalho, labanta, y baza palma di kontentaméntu, kantu ki Prizidenti di
«Bridgewater State University», Dr. Dana Mohler-Faria, anúnsia kriason déntu en brévi di Institutu Di Studu Kabuverdianu na«Bridgewater State
University», y ovason inda foi más, kantu ki Dr. Mohler-Faria fla ma nómi di es Institutu é Pedro Pires.

N ta kongratula Dr. Mohler-Faria pa un skódja tãu filis y asertadu pa nómi di es Institutu.  Pedro Pires é nómi sértu pa es Institutu y ka pode tenba
un midjór skódja pa es nómi.

Si nómi di Pedro Pires dja sta rejistadu na konsertavória di Nason Kabuverdianu Global, Institutu Pedro Pires na «Bridgewater State University»
é un fórma di iternaliza nómi di es Konbatenti di Liberdadi di Pátria, kolega di luta y labuta di Amilcar Cabral.
Visi-Prizidenti di«Bridgewater State University», Miguel Gomes, sábiamenti fla y se konbérsu obidu ku atenson: «Ka Du DISKISÊ DI NOS RAIS».  
N ta parafrazia-l pa N fla:
Ka Du DISKISÊ di  Amilcar Cabral, erói di povu.
Ka Du DISKISÊ di Aristides Maria Pereira, primeru Prizidenti di Repúblika di Kabuverdi.
Ka Du DISKISÊ di Abilio Duarte, primeru prizidenti di Asenbleia di Repúblika di Kabuverdi.
Ka Du DISKISÊ di Komandanti Pedro Verona Rodrigues Pires, primeru primeru-ministru di Repúblika di Kabuverdi.
Tanbe, KA DU DISKISÊ di Dr. José Maria Neves, midjór primeru-ministru di Repúblika di Kabuverdi.
Nen Ka Du DISKISÊ di 5 di Julhu di 1975, dia di Indipendensia di Kabuverdi.

Ka Du DISKISÊ di Nos Rais.
Ka Du DISKISÊ di undi ki du ben.
Ka Du DISKISÊ … nau Ka Du DISKISÊ.
Na undi ki du sta na mundu, Ka Du DISKISÊ di Nos Kabuverdi Di Speransa.
Ka Du DISKISÊ di nos morna.
Ka Du DISKISÊ di nos katxupa.
Ka Du DISKISÊ di nos djagasida.
Ka Du DISKISÊ di nos morabéza.
Ka Du DISKISÊ ma nos é Kabuverdianu.
N ta apruveita pa konpartilha ku leitoris alguns muméntus y faktus markantis na perkursu di Ex-Prizidenti Pedro Pires, nun linguájen sínplis sima
se dimenson umana di un líder pulítiku ínpar y inegualável, y tanbe na lingua di Térra ki tantu el ten kontínuamenti lutadu y labutadu pa el, di un
fórma inkansável y abnegadu. Y nu ta kumesa pa prinsípiu y nu ta konvida nhos pa nhos sigi-m pasu a pasu, luta a luta, konbati a konbati, y
konkista a konkista.

Na dia 29 di Abril di 1934, un kuza grandi kontise na Djarfogu! Ka foi vulkon ki spludi, nén ka foi txon ki treme. Pelu kontráriu, foi nobidadi sabi ki
treme Djarfogu interu, kantu ki pasadinha di péna azul traze Kabuverdi kel arbisa sabi di un mininu patrióta ki ben mundu pa ben liberta nos povu
di sufriméntu, y dizafronta nos gentis di tantu trabadju riju y tratu mofinu. Di nómi konplétu Pedro Verona Rodrigues Pires, kel mininu ki gatinha y
ki kumesa ta odja injustisa ku odju di Djarfogu, se ninhu, ki dipôs ba ta kria y ta bira grandi, ki xinta na kartera di skóla, primeru na S. Filipe na
Fogu, dipôs na Praia y na Sanvisenti, y finalmenti na Lisboa, Purtugal, sénpri ta sunha ku liberdadi y fraternidadi, y preokupadu ku kuzas ki el
staba ta obi ku orédja di revólta y ta odja ku odju di determinason di un verdaderu líder vizionáriu, korajozamenti y ku un sentiméntu nasionalista
y patriótiku mutu forti di un dever pa kunpri pa ku se povu, el larga skóla y el troka oportunidadi di susésu pesual ki el teneba pa frenti na se
karrera universitáriu, y djuntu ku Amílcar Cabral, Aristides Pereira, y otus, el riska se bida na matu di Giné, sén médu-l morti, ku raiba-l d’abuzu,
pa liberdadi di tudu nos ki oji orgulhozamenti ta fla ma nos é kabuverdianus livri, indipendenti y demokrátiku, má sobretudu pa ki tudu
kabuverdianu pode ba skóla un dia. Desdi sénpri el akredita na viabilidadi di Kabu Verdi komu un país independenti, livri y soberanu, na un
altura en ki dúvida éra sertéza pa kuazi tudu algen.

N ka krê alonga mutu txeu, N ta sér brevi y N ta pasa en revista alguns muméntus y faktus más relevantis na perkursu di Nos Ex-Prizidenti:

1934 – 1956: El nase, kria y vive na Kabu Verdi ti idadi di 22 anu. El tistimunha situason di fómi di 43 y 47 ki reforsa se patriotismu y segreda-l
nesesidadi urjenti pa liberta Kabu Verdi di kel situason di duminason.Na 1956 el bai studa na Purtugal.

1961 – 1968: Klandestinamenti el bai atxa Amilcar Cabral y el integra PAIGC. El trabadja na Senegal y na Fransa ta mobiliza kabuverdianus
partiotas pa gérra y el manti ligason sekrétu ku struturas di PAIGC na Kabuverdi.

1968 – 1975: Pires foi komandanti di rijion militar di Giné Bisau. Na 1973 el foi skodjedu komu responsável di kumison nasional di PAIGC na
Kabuverdi. Na 1974, Pires regresa pa Kabuverdi pa lidera PAIGC la. Es grandi ómi ten tantu koraji y vizon, ki kantu el binha di luta, na pasaji pa
Sal, na 1974, el perguta se kabésa: « é es ki é Térra ki du luta pa el? Má nu ten ki kontinua es luta simé ...».

Sob se lideransa, PAIGC konsigi txeu avansu pa indipendensia di Kabuverdi. Na Junhu di 1974 Pedro Pires foi eleitu menbru di parlaméntu
kabuverdianu . Na Dizénbru di 1974, na kualidadi di xéfi di delegason di PAIGC, Pires negosia y sina ku guvérnu portugês, transison pulítika, ki
kaba pa dizenboka na indipendensia na 5 di Julhu di 1975. Na dia 6 di Julhu di 1975 el foi ileitu prumeru ministru di nason indipendenti ki éra
Kabuverdi.

1975 – 1990: Na fin di anus 80, mididas pa liberaliza ekonomia nasional y atrai investiméntu extérnu foi inplementadu ku algun susésu pa
guvérnu di Pedro Pires. Na 1981, Pires foi ileitu sekretáriu jeral adjuntu di PAICV. Duranti três mandatu konsekutivu, na un periudu di 15 anu, ki
bai di 1975 a 1990, guvérnu lideradu pa Pedro Pires inplementa un pulitika stratéjiku, tátiku, proativu y pragmátiku pa konstrui un nason global y
un stadu organizadu, efisienti y kredível, sénpri ku odju na un futuru kada bes midjor, apezar di ki pontu di partida foi situason di pobréza
extrému, ku agravanti di falta di rekursus. País konsigi un melhoria substansial na saudi, idukason analfabetizason, kualidadi di vida y na diféza
di meiu anbienti. Na planu internasional, guvérnu di Pedro Pires kria un Stadu útil, y dizenpenha un papel ixtremamenti inpurtanti na prusésu di
negosiason ki dizenboka na indipendensia di Namíbia y na ivakuason di prezénsa di militaris kubanus y sul-afrukanus di Angola. Na Fevereru di
1990, komu un vizionáriu ki konsigi odja na óra H y xinti na muméntu sértu nesesidadi pa un mudansa radikal na sistema pulítiku kauverdianu,
Pires lidera prusésu di introduson di sistéma di multipardidarismu na Kabuverdi, y el da abertura pulitika, ki decorre na pás, tranquilidadi y
ruspetu pa jogu dimokrátiku.

1990 – Prizenti: Na seténbru di 2000, el anúnsia se kandidatura a kargu di Prizidenti di Repúblika di Kabuverdi, y el kaba pa ser ileitu Nos terseru
Prizidenti na dia 25 di Fevereru di 2001. El foi ri-eleitu Nos Prizidenti na penúltimu eleison prizidensial. Se isilenti dizenpenhu é un orgulhu pa
Kabuverdi y pa nason kabuverdianu na se globalidadi. Nos Prizidenti Pedro Pires resebi sigintis distinson: Na Marsu di 2007, el resebi diploma
« Honoris Causa» na Universidadi Federal di Ceara na Brazil; Órden Amílcar Cabral di Kabuverdi; Medalha Amílcar Cabral di Guiné-Bisau;
Órden di Liãu di Senegal; Órden Infanti D. Henrique di Portugal.

Pa tudu ki el ten fetu y ki el ta kuntinua ta fazi en prol di dizenvolviméntu di Kabuverdi y di Nason Kabuverdianu N ta gostaba di pidi nhos tudu pa
nu ben djunta mon pa un ben labanta es Institutu Pedro Pires na Bridgewater State University.

N ta konvida-nhos pa nhos klika na es link li pa nhos odja alguns imájen di kel ivéntu «Nos Rais».

http://alupeckatentadju.blogspot.com/2012/07/un-brevi-sinopsi-sobri-perkursu-di-nos.html
26 Julho 2012
Direito De Resposta De Agnelo A. Montrond Censurado Pelo FORCV

Exmo. Sr. Editor do portal Topicos123.com

Venho por este meio, mui respeitosamente, solicitar a publicação da minha reacção à despublicação da notícia «Bridgewater State University
anunsia Institutu Pedro Pires»,  e ao editorial do FORCV «Esclarecimento sobre a omissão do artigo sobre Pedro Pires da FORCV», pelo
sinal, censurada, por razões ainda não confessadas.
Saravá,  o conceito de Liberdade de Imprensa no FORCV!

Melhores cumprimentos,
Agnelo A. Montrond

Reacção de Agnelo A. Montrond ao editorial do FORCV
Por Agnelo A. Montrond*, USA

Na sequência da publicação no portal FORCV, de 18 de Julho de 2012, do editorial com o título «Esclarecimento sobre a omissão do artigo
sobre Pedro Pires da FORCV», visando a reposição da verdade dos factos e a devida demarcação de qualquer tentativa de ludibriar a opinião
pública, venho, ao abrigo do direito de resposta que me assiste, conforme o disposto na Lei de Imprensa, solicitar que seja publicado, com
destaque igual ao referido editorial que lhe dá origem, o seguinte:

Considero infundada, incoerente, imatura, condenável, e irresponsável, a infeliz iniciativa do editor do FORCV, ao publicar a notícia,
«Bridgewater State University anunsia Institutu Pedro Pires», e depois despublicá-la sem justa causa. Desde logo, tal acto contradiz o lema
do FORCV: «Pa Nu Fika Mas Unidu». Pois, FORCV quer semear divisão, e fazer-nos ficar cada vez menos unidos, com atitudes desta
natureza. O esclarecimento que deu à estampa, em jeito de editorial, não convence e nem compensa. Senão vejamos:
O editor do FORCV escreveu:

1.        «A FORCV esclarece aos seus leitores que isso aconteceu porque decidiu parar de aceitar e publicar artigos do autor do referido texto
neste site».

2.        «Tomamos esta decisão depois de ter observado uma série de ocorrências em alguns artigos publicados neste site que não
coadunam com os termos aceitáveis do jornal em pauta».

3.        «Decidimos não mais tolerar comportamentos inapropriados neste jornal».

Confesso que fiquei perplexo e indignado, e desafio o editor a esclarecer, de facto, a opinião pública, apresentando razões objectivas que
sustentam a decisão a que se refere o número 1; ainda solicito ao editor que apresente publicamente, e de forma tangível, essa alegada
«série de ocorrências» e as razões por que «não coadunam com os termos aceitáveis do jornal em pauta»; encarecidamente, rogo ao editor
do FORCV que apresente de forma explícita os alegados «comportamentos inapropriados» a que se refere no número 3. E, se não
conseguir, FORCV ficará tacitamente desacreditada no leito do «stress», da desorientação, e da incompetência jornalistica.

Enquanto aguardo esses devidos esclarecimentos e provas, considero esse grave, desonesto e pouco sério comportamento do editor do
FORCV, uma demonstração pública de que FORCV agiu de ânimo leve e na base de emoção. Ainda considero que o editor demonstrou
publicamente que não pautou pelo código deontológico, não respeitou os princípios deontológicos da imprensa e da ética profissional,
abusou da boa-fé dos leitores, encobriu e omitiu uma notícia relevante para a comunidade cabo-verdiana global, e mostrou que vem fazendo
um «jornalismo» político «biased» ao estilo QUERO, POSSO, E MANDO. Não podia deixar de considerar que trata-se inequivocamente, de
uma prova irrefutável que FORCV não é politicamente equidistante, torce clandestinamente pelo MPD, mas não assume, talvez por falta de
coragem, e quiçá por motivos financeiros. Postulo que estamos perante uma revelação de que FORCV não pugna para a identidade,
liberdade, e pelos direitos fundamentais do homem. Pois, estamos perante uma iminente contradição face às exigências de uma
democracia pluralista, e da livre expressão e direito ao debate de ideias, no quadro da ética, elevação e respeito pelos princípios legais e
constitucionais.

O Editor do FORCV em vez de manter publicado uma notícia que orgulha a qualquer cabo-verdiana ou cabo-verdiano, ou então substitui-la,
pecou por pensamento e pela acção, ao despublicá-la de forma leviana e gratuita, e deveria pedir uma desculpa pública aos lesados.
A atitude censória do FORCV é em relação ao conteúdo da notícia em apreço ou ao seu autor? Há alguma correlação entre o mensageiro e a
mensagem veículada nessa notícia?

Convém salientar que não se trata de uma noticia qualquer, pois envolve uma prestigiosa instituição americana de ensino superior, a
Bridgewater State University cujo presidente,  o Dr. Mohler-Faria, é um cabo-verdiano-americano de quem muito nos orgulhamos. E o editor
talvez tentou em vão minimizar o Cônsul Geral de Cabo Verde em Boston, o Dr. Graciano de Carvalho, cujo desempenho tem sido excelente.
E o ilustríssimo editor desrespeitou uma ilustre figura cabo-verdiana, Pedro Verona Rodrigues Pires, combatente da liberdade e companheiro
de luta de Amílcar Cabral, um comandante, o primeiro primeiro-ministro de Cabo Verde, e ex-presidente da república de Cabo Verde. Tudo
isso por razões supérfluas e infundadas. Apagou essa notícia talvez por habito, já que está habituado a apagar esses inflamados
comentários anónimos.

É sobejamente conhecido que o bom-nome e a reputação de alguns, incluindo a minha pessoa, vem sendo continuamente afectados por
alegadas afirmações inverídicas ou erróneas veiculadas nos comentários anónimos neste portal, que mais não são, senão injúrias,
difamações e calúnias. Tais comentários deveriam ser filtrados e/ou censurados e nunca publicados.
Mas a política editorial do FORCV é uma pura infantilização, quando abre o seu portal e permite a todos defecar comentários «inapropriados»,
para depois apagar os que ferem à sensibilidade do FORCV e manter os que convém e são usados para o linchamento político, moral, social
e profissional dos visados.

E, até parece que já houve mesmo comentário que foi alterado pelo editor antes de ser publicado. E o título da notícia que mandei publicar foi
modificado pelo editor do FORCV sem o meu consentimento. Tudo isso ilustra que FORCV manipula a informação, não age em boa-fé e usa
dois pesos e duas medidas.

Alguém pode tentar escrever um comentário injurioso, calunioso ou difamatório contra o El-rei Alberto, dono todo-poderoso do FORCV e verá
que será imediatamente apagado. A título de exemplo, o seguinte comenáario foi apagado à velocidade da luz:

O Alberto devia escrever em Kriolu porque ele deixou aqui patente, uma demonstração de que ele é editor analfabeto que
apenas conhece as letras em portugués. Um analfabeto que se auto proclama editor de um portal onde o Portugês é
lingua veicular. Mas que afronta. Gritantes erros de sintaxe e alguns erros ortográficos neste editoral di txakóta:
ocurrencias persisterem acionamos
esitaremos

Reparem só as notícias publicadas no FORCV.  Há equidistância político-partidária? «That is the question?»
O jornalista não deve ser comissário político e nem deve ser refém de nenhum partido, pois o jornalismo é um serviço público, que quando
prestado de forma efectiva,  não se confunde com publicidade e propaganda politica.

Em vez de intimidar colaboradores, leitores e comentaristas, FORCV deveria munir-se de um melhor sistema de gestão de comentários
anónimos. «Jesus é antes da queda». Publicar um insulto ou uma injúria para depois apaga-lo não é a melhor forma de fazer jornalismo
sério e relevante.

*Agnelo A. Montrond tem formação superior em Matemática Aplicada com especialidade em Exploração Aeronáutica pela ENAC, Toulouse,
França. Trabalhou na ASA - EP, em Cabo Verde, onde foi Assessor Aeronáutico do Director Geral, Coordenador Dos Serviços De Segurança
Aeroportuária e Técnico Superior na Direcção de Navegação Aérea. Em1995 imigrou para os EUA onde reside actualmente. Neste país fez
mestrado em Educação e é professor de matemática no Brockton High School. Foi professor de Língua Cabo-verdiana no Bridgewater State
University e actualmente lecciona a tempo parcial no Massasoit Community College. Foi Presidente Da Associação Cabo-verdiana de
Brockton. Foi eleito Homem cabo-verdiano do ano 2009. Foi Director de Comunicação e Imagem do candidato a Presidente da República de
Cabo verde, o Eng. Manuel Inocêncio Sousa. É Notário Público, Presidente da Assembleia Geral da Associação de Mídia
Caboverdiana-Americana, político, colunista, poeta, activista da comunidade e dono do blog ALUPEC ka ten tadju.
                                   Un puéma di Adéus pa nha tiu António Montrond
Pa Agnelo A. Montrond, USA

Dedikatória: N ta didika es puema pa tudu família y amigus di António Montrond, más konxedu pa Ntóni Manina, ki falisê di mórti natural, ku 94
anu di idadi, na dia 21 di es mês di Agostu, na Brockton, Stadus Unidu.
Oji nha kanéta sta di lutu
António Montrond, más konxedu pa Ntoni Manina dja dixa-nu pa el bai fika djuntu ku Santu
Nha tiu éra balenti, korajozu, ruspetadu pa tudu algen y pa tudu kantu

Dja el dixa Rubera Djeu, Mérka y mundu interu mergudjadu na un lutu profundu
Dja-l kunpri se distinu y dja-l bai pa séu ki dja fikâ ku más un stréla
Pórta di séu dja abri en flôr pa resebe es se fidju ki dja sta djuntu ku Déus

António Montrond foi un isilenti maridu ki dexa se mudjer Ernestina Montrond ku sodadi
Tanbe el  foi un grandi pai ki dixa 9 fidju ku se marka, erdadu na se donu Nho Ermã di Fransa
Inda el foi un izímiu donu ki dexa 19 nétu y alguns bisnétus ku orgulhu na petu

Si dignidadi di un ómi ta mididu ku altimetru, anton António Montrond é más altu ki Burkan
Si integridadi di un ómi ta mididu ku balansa, anton Ntóni é más pizadu di ki mundu

Valor di un ómi ka ta mididu pa bens material adkiridu na es mundu di iluzãu
António Montrond foi un ómi di valor
Un amigu di tudu óra
Un líder ki akarinha tudu mininu na Rubera Nhordés
Un artista ratorku ku kunhesiméntu konparável a un «rocket scientist» na mundu mudérnu

Ntóni foi un figura di vultu na Kutélu
Rubera Djeu ta orgulha di ten un fidju di kalibri di Ntóni, nha tiu serenu, sinplis, leal y karismátiku
Vontadi nunka falta Ntóni pa djuda kes ki más ta prisizaba
Ntóni dexa-nu ku melodia di serenata di sodadi na óra di bai

Nha tiu António Montrond é un referênsia y un marku ruspetadu pa iternidadi
Até senpri , tiu
Diskansu itérnu djuntu ku Jizus Kristu
Pás a bu alma na paraízu

aamontrond@yahoo.com
http://alupeckatentadju.blogspot.com
10 Dez 2012
PAICV - USA:  Alberto Rodrigues eleito 1o Secretario do Sector de Rhode Island

Hoje, domingo, dia 2 do mês de Dezembro do ano 2012, na CACD, localizada no 120 High Street, Pawtucket, Rhode Island, a casa estava
completamente cheia de militantes do PAICV que participaram da assembleia visando a eleição do Primeiro Secretário do Sector de Rhode Island,
do Conselho do sector de Rhode Island, e da Comissão de Jurisdição e de Fiscalização de Rhode Island.

Com o lema, «JUNTOS POR AMOR AO PAICV», Alberto Rodrigues faz história ao ser eleito primeiro Primeiro Secretário do Sector do PAICV de
Rhode Island, com 42 votos a favor, nenhum voto contra e nenhuma abstenção.

A lista para o conselho do Sector de Rhode Island foi sufragada com 42 votos favoráveis, nenhum voto contra e nenhuma abstenção.

O veterano militante do PAICV, Carlos Tavares, foi eleito Presidente da Comissão de Jurisdição do Sector de Rhode Island, com 41 votos a favor,
uma abstenção e nenhum voto contra.

Essas eleições foram precedidas por um debate sobre o tema: que Partido queremos para os novos tempos?

Foram oradores do debate, o ex-edil Bravense e ex-presidente da JPAI, Camilo Gonçalves, e Mário Semedo, que por coincidência também é
ex-presidente da JPAI. As intervenções no referido debate podem ser resumidas nos seguintes 4 conceitos: Mágoa, humildade, unidade e
expansão.

Por questões ligadas a logística, as eleições nos sectores de Brockton e Boston, assim como a nível da região política foram adiadas para datas
as quais oportunamente serão tornadas públicas.

O PAICV-USA está a trabalhar sériamente por forma a garantir a eleição dos dois deputados para o círculo eleitoral das Américas nas próximas
eleições.

Agnelo A. Montrond
Coordenador
Subcomissão de Informação
Comissão Ad Hoc PAICV-USA
3 Mar 2013
                                    Djunta-mon Pa Rubera Djeu, Rubera Nhordés
                                                  Por Agnelo A. Montrond, USA
"Um exército de ovelhas liderado por um leão derrotaria um exército de leões liderado por uma ovelha." (Provérbio Árabe)
Sábado, dia 23 de Fevereiro, tive o prazer de reencontrar um colega de infância, entre vários patrícios que estavam reunidos num restaurante em
Dorchester, participando num evento de angariação de fundos para financiar obras de reparação do edifício escolar de Ribeira Do Ilhéu. Essa
iniciativa é inequivocamente louvável, pois é de se acarinhar toda a contribuição em prol do desenvolvimento da referida localidade.
Estamos cientes que os responsáveis irão pautar pela transparência necessária neste processo, mediante uma demonstração pública dos
resultados, evitando assim a deselegante animosidade entre pessoas e eventuais bajulações e especulações negativas de falsos desvios de
fundos, intrigas gratuitas baseadas exclusivamente na má-fé.

Para o almejado sucesso do processo, torna-se imperativo apostar numa equipa multidisciplinar, apartidária e arreligiosa, que integra as
valências e o «know-how» necessários e à altura dos desafios que tal empreendimento colectivo e inclusivo reclama. Cumprirá à tal equipa, com
olhos postos no futuro, conceber, elaborar e implementar um projecto orgulhoso capaz de modernizar e dignificar essa infra-estrutura que é um
património arquitectónico de Ribeira do Ilhéu, uma das mais antigas povoações nos Mosteiros. Acredito que somos capazes de mobilizar
recursos humanos e materiais aqui nos Estados Unidos, e em parceria com a Câmara Municipal Dos Mosteiros, com o governo da República de
Cabo Verde, dotar Ribeira do Ilhéu de uma escola moderna, com equipamentos adequados, materiais didácticos, currículo e instrução alinhados
com os objectivos do ensino e aprendizagem no século XXI.

Importa estruturar, disciplinar, organizar, e incentivar a participação de todos neste Djunta-mon Pa Rubera Djéu, sem excluir, silenciar ou sufocar
ninguém, conforme sugere o seguinte provérbio: «Bons líderes fazem as pessoas sentir que elas estão no centro das coisas, e não na periferia.
Cada um sente que ele ou ela faz a diferença para o sucesso da organização. Quando isso acontece, as pessoas se sentem centradas e isso dá
sentido ao seu trabalho.» (Warren Bennis)

Na conversa animada havida com o amigo e colega Soné, «Nos Eugénio Tavares di Djeu», sobre o desenvolvimento socioeconómico de Ribeira
Do Ilhéu, veio à luz do dia, uma ideia brilhante, de nós os dois abraçarmos a iniciativa de promover uma série de eventos culturais para
reconhecer, valorizar, e homenagear as talentosas mulheres, os talentosos homens e jovens de Ribeira do Ilhéu residentes nos Estados Unidos.
Fizemos referência a alguns, nomeadamente Amadeu di Feminha, seguramente o nosso «Humbertona di Djeu», Agustinhu di Sakorru, o «Tito
Paris di Djeu», Txalézinhu di Nhamá, um poli-instrumentista e o «Tazinho di Djeu», José Laço, um conceituado produtor e compositor do famoso
«Na Aeroportu di Fogu», entre outros, é um artista que orgulha a todos nós que somos de Ribeira do Ilhéu, Ana Lopes, mais conhecida por
Klarinda di Anja, portadora de uma voz cristalina e inconfundível, é sem sombra de dúvidas, a nossa «Cesária di Djeu», e estou ciente que temos
muito mais.

O evento cultural que pretendemos realizar num próximo futuro, será no restaurante Laura em Dorchester - Kantinhu di Rubera Djeu na
Dorchester, cujo proprietário Arlindo Correia (Rulinhu di Tudéka) é natural de Ribeira do Ilhéu. Trata-se de uma forma de valorizar os nossos
empresários, profissionais e quadros.

É de se referir que Ribera Djeu possui vários quadros e professionais: Viriatu Di Sirbesti – engenheiro – Portugal; Luis Gomes Martins –
engenheiro – Cabo Verde; José Gomes (Dui di Mémé) – engenheiro – Cabo Verde; Agnelo Armando Montrond  – Engenheiro / Professor –
Estados Unidos; Carlos Paulino Vaz – engenheiro  – Estados Unidos; Carlos Spinola (Soné di Manelinhu) – Curso superior em justiça Criminal –
Estados Unidos; Casimiro Jesus Lopes de Pina (Nhónha di Alídiu) – advogadu e professor universitário – Cabo Verde; Leão de Pina – curso
superior e professor universitário – Cabo Verde; Arlindo Correia (Rulinhu di Tudéka) – egenheiro - Estados Unidos,  Domingos Vaz Mendes
(Uginhu di Fidjinha Xinha) – vereador na Câmara Municipal dos Mosteiros e vários outros que mencionaremos oportunamente.

De entre os empresários naturais de Ribeira do Ilhéu constam: Arlindo Correia (Rulinhu di Tudéka), proprietáriuo do Restaurante Laura em
Dorchester; João Vaz (Djonsa di Nhamá) – proprietário de um «Liquor Sore» em Roxbury e da discoteca Macumba em Mattapan; José di Djéna di
Adilaida, dono de uma ofisina de mecanica em Brockton, Nelson di Manidjinha, dono do «Mendes Heating», vários outros.

Sonhemos com o desenvolvimento social, económico e humano da nossa localidade, para que em vez de trabadju rixu y kastigadu di kel ténpu na
undi ki fómi, mizéria, y duénsa éra distinu di ómi, mudjer y kriansas, du modernizâ infrastruturas rodoviárias, idukativus, di saúdi, susial, etc, y
retribuí gentis di Djeu un vida kondigna ki es meresê, konpititivu a nível nasional y internasional. Pa nos sonhu birâ realidadi, nos tudu nos é poku
pa djuntâ mon y trabadjâ ku seriedadi y abnegasãu pamódi trabadju é txeu y nesesidadis é ka poku. Nu ta lansâ un apélu a tudu kenha ki di un
fórma ó di otu ten algun afinidadi ku Rubera Nhordés, pa apoia-nu ó partisipa ku nos na es djunta-mon pa Djeu. Pas es kauza justu, partisipasãu
di tudu kabuverdianu y di un kualker sidadãu di mundu é nesesáriu y seguramenti ta fazê diferénsa na vida di kes ki sta más nesesitadu. Du ta
gostaba di podê djuda-s ku kumida pa es kumê y agu pa es bibê pa es ka deta nén ku fómi nén ku sedi, agu pa es labâ pa es ka duesê, ropa pa
es bisti, ramédi pa kenha ki podê sta duenti y ka ten dinheru pa kunpra-l, material pa minis ki sta na skóla y ki ka podê kunpra-l. Sima ki prizidenti
di Mérka, Barack Obama frâ, «Yes We Can», du ta parafrazia-l y du ta frâ sin é pusível ku partisipasãu y kontribuisãu di nos tudu.

aamontrond@yahoo.com

http://alupeckatentadju.blogspot.com
7/22/2013
CVAMA REUNE MÍDIA, EMPRESÁRIOS, POLÍTICOS, E LÍDERES EM
BROCKTON
Por Agnelo A. Montrond*

A CVAMA, Cape Verdean American Media Association, convida a todos os que de forma directa ou indirecta estão envolvidos na comunicação
social, quer seja na radio, televisão, jornal, etc, a participar num evento social informal, de convívio e confraternização, a ter lugar amanhã,
domingo, dia 21 deste mês de Julho, na Casa da Musica, em Brockton, das 5:00 às 8:00 horas da noite.
Todos os animadores de programas radiofónicos em Brockton foram convidados e terão a oportunidade de fazer uma curta apresentação dos
seus programas. Também foram convidados os responsáveis dos programas televisivos Selo Ernestina e Arco-íris e esperamos que irão
fazer uma curta abordagem dos seus respectivos programas.
Sendo que as eleições em Brockton se avizinham, todos os candidatos ao cargo de Mayor de Brockton e counselor-at-large foram convidados
e terão a oportunidade para dirigir umas breves palavras aos presentes no evento. É de se referir que alguns desses candidatos já
confirmaram as suas presenças no evento de amanhã. A CVAMA já está a planejar um fórum, na primeira semana do mês de Setembro, pf,
onde os candidatos terão a oportunidade de apresentar as razões por que os cabo-verdianos com capacidade eleitoral devem votar naquele
que demonstrar ser o candidato que melhor irá defender os interesses da comunidade cabo-verdiana em Brockton.
Foram também convidados, representantes de partidos políticos, alguns empresários e líderes cabo-verdianos.
Contamos fazer uma breve apresentação do portal da CVAMA, http://www.cvama.org, onde podem ver o video contendo imagens do
empossamento dos dirigentes da CVAMA e o percurso da CVAMA, http://www.youtube.com/watch?v=bQGgfo5EfWY, consultar os estatutos
dessa associação de mídia, entre outras informações.
A CVAMA aposta seriamente na congregação e conjugação de esforços de todos os que constituem uma mais-valia para o empoderamento da
capacidade do grupo e do seu respectivo desenvolvimento. A Associação dos Mídias Cabo-verdianos-Americanos, CVAMA, é uma organização
social sem fins lucrativos, apartidária e arreligiosa, cuja missão é colectivamente promover e suportar um sistema de informação sustentado
no seio da Comunidade Cabo-verdiana Global. A CVAMA exortará a publicação de informações relevantes e fidedignas. A CVAMA zelará pela
elevação moral e observará o código da ética jornalística. Ainda a CVAMA poderá representar a Mídia Cabo-verdiana nos Estados Unidos e
apostará no empoderamento dos seus membros, proporcionando-lhes oportunidades contínuas de formação e desenvolvimento profissional.
Os organizadores deste convívio informal da CVAMA são: Agnelo Montrond, aamontrond@yahoo.com; Adriano Cabral, adriano209@msn.com;
Júlio Carvalho, juliodecarvalho@gmail.com; Pedro Chantre, pedrochantre@yahoo.com.

*Presidente Da Assembleia Geral da CVAMA, http://www.cvama.org
2 Out 2013
GRUPO DE AMIGOS ACOLHEU Dr. AQUELEU AMADO EM BROCKTON, EUA
Por Agnelo A. Montrond, USA
L’ambiance était géniale, hier soir au restaurant Malu’s place, à Brockton.
Dispenso desejar ao amigo, Dr. Aqueleu Barbosa Amado, Presidente da Câmara Municipal de Santa Catarina Do Fogo, boas vindas aos States,
pois, aqui nos EUA, Aqueleu is at Home and he is always welcome.
Ontem, dia 28 de Setembro, tive a honra e o privilégio de fazer parte de um grupo de amigas e amigos, que amavelmente acolheram o Dr.
Aqueleu Amado numa mesa recheada com tudo o que era do bom e do melhor, num ambiente onde a morabeza e a camaradagem eram o tom
de uma socialização sui generis, com aquela boa música que artisticamente emanava do exímio e genuíno músico Santa catarinense, Amadeu
Fontes e o seu conjunto, numa autentica demonstração de quão é o apreço e carinho que a comunidade nutre pelo nosso Dr. Aqueleu Barbosa
Amado.
Dizem que a afinidade é factor de aproximação, e estou em crer que seja um facto verídico, pois fui naturalmente atraído pelo grupo dos cardeais
composto pelo Comandante Lucindo Rosa, Capitão Napoleão Andrade, e pelo Comandante Kumeré (José Araujo AKA Foguinho). A nossa
conversa estava animada e centrada no desenvolvimento da ilha do Fogo e das suas gentes. Os avanços foram apreciados e alguns
constrangimentos foram abordados de uma maneira ligeira e informal já que o contexto não era propício para um tratamento político dessas
questões que certamente serão tratadas num outro fórum.
É de se destacar a presença no evento do professor Pinto Veiga, popularmente rotulado Justiceiro de Cova Figueira, acompanhado da sua
excelentíssima esposa, Dona Bia Veiga, ilustríssima filha Sofia Veiga, e conceituada sogra Dona Nair Lopes.
Aqueleu esteve rodeado de gente boa, todos os nomes não me vêm à mente neste momento, mas tive um dedo de conversa com o carismático
António Neco, que brindou os presentes com uma linda música versando a cidade de Cova Figueira, município que viu nascer um dos seus
melhores filhos, o meu eterno amigo, o defunto Professor e figura de proa do referido município, António Pedro Fonseca, paz à sua alma no
paraíso.
Tive igualmente a oportunidade de manter uma breve conversa privada com o amigo Txitxinzin, irmão da Sissy de Txintxin, que aquando da minha
recente visita à ilha de Pedro Cardoso, confidenciou-me umas frases sabias que brevemente darei à estampa num artigo de opinião. Aproveito
para saudar a amiga Sissy, a sua gentil mãe Dona Sena, e o seu esposo, o meu grande amigo Silva, Director da ASA, EP, na ilha do Fogo.
Passamos uns memoráveis momentos juntos no Fogo.
Aqueleu Amado prossegue os seus contactos com a comunidade no quadro da sua visita privada aos Estados Unidos.  
BILL CARPENTER OU LINDA BALZOTTI, QUAL É A MELHOR OPÇÃO PARA BROCKTON?
Por Agnelo A. Montrond, USA

Compete ao eleitorado de Brockton, a cidade mais cabo-verdiana nos Estados Unidos, dar resposta a esta questão no dia 5 de Novembro, pf. À
semelhança do que aconteceu quando Jass Stewart tinha disputado a prefeitura de Brockton com Jim Harrington, é de se louvar o grande
envolvimento de cabo-verdianos nesta disputa eleitoral actual, entre Bill Carpenter e Linda Balzotti, desta feita com contornos novos e modernos.
E neste pleito eleitoral, os votos dos cabo-verdianos com capacidade eleitoral somado aos votos dos cabo-verdianos-americanos pode ser
determinante no levantamento desta indeterminação. Por agora a dúvida alimenta o dinamismo nas campanhas de ambos os lados. Entre a
continuidade ou a mudança, ainda reina alguma indecisão. E há que haver posicionamentos inequívocos por parte dos dois candidatos no que
concerne a defesa intransigente dos interesses da comunidade cabo-verdiana radicada em Brockton. E o envolvimento dos cabo-verdianos
neste processo deve ser estratégico e orientado para resultados palpáveis e mensuráveis.

As campanhas gravitam essencialmente à volta dos seguintes tópicos:

·        Aumento consecutivo do imposto predial
·        Facturas exorbitantes de utilização de água baseada em estimativas e aplicadas de forma retroactiva
·        Incentivos para atrair investimentos
·        Insegurança e criminalidade: enquanto que uns proclamam que a criminalidade diminuiu recentemente outros reclamam o aumento da
criminalidade e da insegurança e recorrem a estatísticas de expediente mutuamente contestadas.
·        Representatividade da diversidade nos vários serviços municipais
·        Lista de espera para aulas de «ESL» ou seja inglês como segunda língua
·        Ensino do Português no liceu de Brockton «Brockton High School»
·        Facilidades para a pática do desporto, mormente o futebol
·        Programas visando envolvimento de jovens
·        Adequação da Educação de crianças e adolescentes, seus pais, suas famílias, vizinhanças, e a comunidade cabo-verdiana no seu todo.
·        Instalação de uma Central Eléctrica (Power plant) em Brockton, na zona Sul. Enquanto que uns dizem que essa central representa algum
perigo para a saúde publica por que tem efeitos negativos no meio ambiente, e diminui os valores dos imóveis no mercado imobiliário, outros
contrapõem invocando despesas desnecessárias com questões legais pouca abonatórias dizendo que centrais idênticas funcionam sem
problemas em outras localidades e que a vinda desta central para Brockton é inevitável e traz para a cidade dos campeões verba significativa que
seria canalizada para aumentar o número dos agentes da polícia e assim melhorar a intervenção no combate à criminalidade e reduzir o
imposto municipal sobre imóveis.

Apelamos para uma campanha cívica, elevada e pedagógica, sem sobressaltos, onde não haja espaço para crispação, insultos pessoais ou
rancor. Dos protagonistas nesta corrida eleitoral, espera-se uma postura serena e pedagógica. As acusações mútuas e infundadas perpetradas
por ambas as partes, contribuem para semear mais dúvidas do que para convencer o eleitorado.
Aquele ou aquela, cuja estratégia e táctica consistem em tentar fintar o eleitorado cabo-verdiano-americano e o futuro de Brockton, com falsas
promessas, não é a resposta certa à questão que ora se coloca, com alguma pertinência e equidade, aos eleitores cabo-verdianos de Brockton,
e não só. Brockton merece do bom, do melhor, e do súper. Mas precisa de todos. De todos e sem excepção, incluindo dos menos bons, e dos
medíocres. Todos em massa, imbuídos do espírito de equipa, cooperação e colaboração, erguidos em defesa dessa justa e nobre causa, a
saber: melhorar a qualidade de vida dos Brocktonianos.
Regista-se muita movimentação em Brockton neste fim-de-semana e a contagem decrescente está prestes a terminar. Cartazes enfeitam
Brockton por todo o lado. A caça ao voto dos cabo-verdianos é visível nas campanhas radiofónicas na estação 96.5 FM, e aproveitámos apara
apelar a todos os cabo-verdianos para irem às urnas na próxima terça-feira, exercer a cidadania Americana com determinação, votando no
candidato ao cargo de mayor, de conselheiro municipal, e de membro do comité escolar que melhor irá defender os interesses dos
cabo-verdianos. Só assim conseguiremos demonstrar o nosso peso eleitoral em Brockton, a única maneira de conquistarmos mais respeito e
dignidade por parte dos políticos americanos.

É de se realçar que entre os oito candidatos ao cargo de conselheiro municipal, perfila-se um único candidato cabo-verdiano-americano, o
Senhor Moisés Rodrigues. Jurei-me não participar na campanha nesta disputa eleitoral, por incompatibilidade com a função de Presidente da
Assembleia Geral da Cape Verdean American Median Association, CVAMA, que desempenho, e por uma questão de coerência coíbo-me de dar
indicação de voto. Mas devo render-me às evidências e reconhecer publicamente que o único candidato ao cargo de conselheiro municipal em
Brockton que fala a nossa língua, espelha a cultura cabo-verdiana e conhece de cor e salteado os problemas dos cabo-verdianos residentes em
Brockton, por experiência e pela sua vivência, é o nosso Moisés Rodrigues. Para um bom entendedor estas palavras chegam e algumas sobram.

O visionário de que Brockton precisa deverá ser o garante de uma visão de unidade na diferença, de uma postura pragmática e proactiva capaz
de tomar o pulso à comunidade cabo-verdiana, diagnosticar os problemas que a afligem, e estabelecer um programa estratégico e táctico
faseado capaz de solucionar esses problemas, inspirar liderança do topo à base, e vice-versa, e assim liderar o município de Brockton tanto do
interior como do exterior.

Augura-se uma disputa bastante renhida e participada. Tudo aponta para uma diferença mínima entre o candidato vencedor e o candidato
derrotado.

Que o voto de cada eleitor seja consciente, informado, e inteligente. O mayor eleito deverá assumir-se como o líder e o obreiro que irá servir bem
a todos, fazendo mais e melhor, pautando por uma liderança inclusiva na condução dos destinos da nossa décima primeira ilha, como muito
bem disse o nosso primeiro-ministro, José Maria Neves
aamontrond@yahoo.com
19 Nov 2013
                       ATÉ SEMPRE TRAVASSOS
Por Agnelo A. Montrond, USA

«O próprio viver é morrer, porque não temos um dia a mais na nossa vida que não tenhamos, nisso, um dia a
menos nela», Fernando Pessoa

Inspirado por esta sábia frase de Fernando Pessoa, postulo que vivemos e morremos todos os dias. Morrer é viver eternamente.  Assim
sendo, porquê tanto medo da morte, a única certeza estocasticamente incerta no universo probabilístico da vida?

Só morre quem um dia nasceu e ainda está vivo. «Nu ben pas es mundu, nu ten ki bai pa séu. Distinu sértu ki nos tudu nu ten ki kunpri-l». A
vida não é mais do que uma caminhada rumo à morte. A contagem decrescente começa logo ao nascimento. Importa ter este facto
constantemente em mente. Devíamos todos aprender a viver e conviver com os outros, lidar com a vida e preparar-mos para a morte.

Dia 11 de Novembro de 2013, um dia excelente para deixar de viver, o dia em que a morte inesperadamente bateu à porta de Miguel Travassos
Rodrigues (07/15/1957 – 11/11/2013). Esta notícia de falecimento apanhou-nos de surpresa, mas como se sabe, a morte quando chega, vem
sem avisar, e apanha-nos de surpresa, desprevenidos, indefesos e despreparados.

O corpo de Travassos  foi dado à terra hoje, dia 16 de Novembro de 2013, em Brockton, EUA. Travas, «Korpu é di txon, alma é di Déus». Uma
multidão chorosamente acompanhou Travassos à sua última morada. Lágrimas de dor do saudoso e popular Travassos enfeitaram o cortejo
fúnebre. As belas, eloquentes, e consoladoras palavras proferidas pelos pastores Nataniel Duarte e Benedito Monteiro pareciam ressonância
na eternidade. O lindo poema de Norberto Teixeira (Gugu de Silvério),  as magníficas palavras proferidas pelo filho do Travassos, entre outras,  
não compensaram a imensidão da dor que invadia o coração da minha querida madrinha Queta, e os das irmãs Maria, Armanda e Solange.
Dor de saudades de um amigo, dor de separação do único filho e único irmão materno, dor da partida de um Mosteirense para a eternidade.
Ficou demonstrado que acaba a valentia de uma mãe, e de uma irmã, quando o filho, ou irmão, que ela ama, parte para a eternidade.

Travassos e a sua família marcaram a minha infância. Ele  foi para mim um irmão, um mentor, um amigo das horas incertas, um
companheiro, um líder, enfim uma figura que à imagem do seu pai, e meu padrinho, Armando José Rodrigues, inspira amizade e
solidariedade na horizontalidade. Travas é morabeza de um filho de Djarfogu e cidadão do Mundo, mas também respeito e elevação « là où il
faut». Agora és uma estrela no firmamento que lá do alto ilumina os nossos corações.

Naquele tempo, quando ainda eu era criança, Travassos benevolamente imperava na vila da Igreja e distinguia-se pelas suas cavalgadas «à
la mode de l’époque». Era amigo de todos. Fazia tudo para mim, mesmo o quase impossível. Levava-me para Praia Lantxa, Béku, e
pacientemente ensinava-me a nadar. Dizia-me com ternura: « Armandinho, cuidado para não te afogares. Fica cá perto. Estou a vigiar-te.»
Nas noites serenas, com brilhos do luar, do seu sobrado, segredava-me um futuro promissor que começou na cidade da Praia, na Rua Guerra
Mendes (ex-rua Serpa Pinto), onde permaneceu por alguns anos antes de emigrar para os Estados Unidos. Ali fez-se distinto membro do
Kazaku Pobri. Três proeminentes membros desse grupo de então, o Xodadi, o Kasula, e o Txalé, dignaram marcar presença e prestar tributo
final ao falecido. Mais tarde, emigrou para os Estados Unidos, e aqui o nosso relacionamento sempre continuou reciprocamente familiar «à la
française».

Travassos, hoje, que já estás no paraíso na divina companhia, deixaste-nos com imensas saudades, com tanta dor e tristeza, rezando pela tua
alma, junto de Deus, Nosso Senhor. Ficam na minha memória, recordações de um exímio fidju di Djarfogu, esbelto, de olhos azuis, valente, de
uma simplicidade invejável, de uma postura serena e elevada, de um Homem com qualidades superiores e raras.
Travassos, viverás para sempre na nossa memória colectiva.

Paz e eterno descanso à tua alma.
Até sempre Travassos.

aamontrond@yahoo.com
2 Jan 2014
Diskursu puétiku y brindi di Alberto Alves «Neves» pa aniversanti Agnelo A. Montrond
Por Agnelo A. Montrond, USA

«Na verdadi, Montrond ten sidu, pa mi, kel mesmu sujeitu: umildi y serénu, konprensivu y atensiozu, amigu y sulidáriu. Y oji, komu é natural,
Montrond é:  un ómi más maduru y más risponsável;  un xéfi di família y pai di fidjus;  un prufisor y formador di ómi di futuru;  un ativista pulítiku
susial y kumunitáriu;  un kriolista briozu y lutador; un patrióta y nasionalista finkadu; un militanti partidáriu ku pritensan pulítiku lijitimu …»,
ALBERTO ALVES «NEVES»
Senti-me euforicamente feliz, no centro de uma belíssima sala cheia de amizades, música, poesias e eloquentes discursos, onde
celebramos com requintada pompa e circunstância, o meu dourado quinquagésimo aniversário natalício.
Muito obrigado a todos os que dignaram honrar-me com as suas prestigiosas presenças, ontem, dia 21 de Dezembro, pp,  no Restaurante
Luanda em Brockton.
Ao longo desses anos, vivenciando emoções, umas alegres, outras sofridas, venho trilhando o caminho da vida, à procura da idade para se
encantar e reencontrar com a vida, ser feliz, e viver apaixonadamente.
Ciente que imagens comunicam melhor do que palavras, compartilho com todos as imagens enfeitadas por sons inéditos na minha página
no facebook https://www.facebook.com/aamontrond
Agradeço a Deus e aos meus pais, Agnelo Montrond, paz à sua alma no paraíso, e Maria Fidalga Gomes Montrond, pela minha existência
neste mundo.
Rijo abraço a todos.
Votos de um Natal feliz e um Ano Novo Prospero, com abundância de tudo o que faltou no ano prestes a terminar.
Agnelo A. Montrond

Diskursu di nha grandi amigu, Alberto Alves «Neves»

Bon noti, sinhor Konsul Jeral di Kabuverdi na Boston
Bon noti, sinhor Mayor di Brockton
Sinhoras y sinhoris kunvidadus, bon noti!
É ku txeu alegria y ridobradu kontentaméntu ki N konvidadu pa N sta li y pa N uza di palavra na es mudéstu sirimónia di aniversáriu di nha
amigu Agnelo Armando Montrond.
Antis di más, N krê apruveita es opurtunidadi pa N filisita-l y pa N dizeja-l txeu saúdi, filisidadi y longus anus di vida.    

Algen txigâ di frâ y ku txeu razan, es frazi li: “Nhos amâ vida y nhos ten bons amigus, pamódi vida é kurtu y bons amigus é poku”.  Na verdadi,
es konsedju li, debe ser  tumadu senpri en konta, na rilasan di amizadi entri pisoas.
El debe ser, sin, pamódi na susiedadi di oji, ten un mar di dizonestidadi  y falta di lialdadi; ten un brasada di  inveja y di traisan; ten un
montanha di individualismu y di «cada um por si e Deus por todos», ki ta po en kauza amor ki nu ten pa vida y pa nos prósimu y ki ta inperrâ
pusibilidadi di kualker algen ranja grandis y bons amigus.

Rialmenti, nu sta piranti un susiedadi undi ki relasionaméntu entri pesoas sta markadu pa un luta izajeradu di interesi y pa un jogu poku linpu
di inpurra kunpanheru; undi ki bons valoris sta biradu di trás pa dianti y rabidadu di pé pa kabésa; undi ki konvíviu entri pisoas sta mantxadu
pa txeu sinismu, pa un monti di falsidadi y pa un padjigal di ipokrizia, ki txeu bês ta po-nu lenbrâ, ku tristéza, di nos grandi y saudozu Ildo Lobo,
kantu ki el kantâ, el frâ: “ … ténpu dja muda, nu ka konxe inimigu, surrizu na rostu é ka bardadi na petu…”

Amigas y amigus
Sinhóras y sinhoris konvidadus
É ka bunitu nen kristan, é ka saudável nen salutar nu faze, di nos vida, tan somenti un luta konpititivu, sen midida, sen travan y sen kabréstu.
Fazê di nos vida un luta pirmanenti ku prupózitu maldozu y xutador di tudu ki pasa-nu pa frenti, mesmu ki seja un bon  amigu y un algen di  
amizadi y konsiderasan.
Má un bon amigu, debê ser un kunpanheru di tudu trinxera y di tudu barrikada. Debê ser un kulega di tudu tenporada y di kualker kaminhada.
Debê ser un amigu sértu di óra insértu, sima ki famozu artista Roberto Carlos ta kantâ.
Un bon amigu debê ser um parseru di okasian bon y di opurtunidadi ménus bon; di óra di grasa y di minutu di disgrasa; di óra di fésta y di
muméntu di nodju; di konjuntura di  alegria y di altura di tristéza; di ténpu di baka gordu y di maré di baka fraku.
Naturalmenti ki N ta pensa ma nos tudu ki ben es sirimónia di aniversáriu, nu ben ku mesmu spritu, ku similhanti objetivu y ku igual intensan
ki é, di inpresta satisfasan, karinhu y amizadi, a un amigu, un kunpanheru, un konterrániu.
Ami, pisualmenti, N ten un rikordasan filis y un lenbransa di Montrond ki dja dura dizenas di anu. Mi éra koordenador y riprizentanti pulítiku na
ária jiográfiku y administrativu, ki oji ta txumadu Konselhu di Musteru y Agnelo A. Montrond éra, na kel bês, studanti di ensinu sikundáriu na
liseu di Praia.
Na un di kes muméntu di se féria na Musteru, pa sorti, nu inkontrâ. Nu birâ grandi amigu y es amizadi izenplar kontina te gosin. Grasas a
Déus, te inda, padja ka kebrâ y nu ka ten razan di kexa. Pur isu, ku tudu sinseridadi y onestidadi  N ta frâ: Seja benditu, pa senpri, kel instanti y
kel sirkunstânsia ki, afurtunadamenti, nu konxê kunpanheru!
Na verdadi, Montrond ten sidu, pa mi, kel mesmu sujeitu: umildi y serénu, konprensivu y atensiozu, amigu y sulidáriu. Y oji, komu é natural,
Montrond é:  un ómi más maduru y más risponsável;  un xéfi di família y pai di fidjus;  un prufisor y formador di ómi di futuru;  un ativista pulítiku
susial y kumunitáriu;  un kriolista briozu y lutador; un patrióta y nasionalista finkadu; un militanti partidáriu ku pritensan pulítiku lijitimu.
Pa tudu es mutivu, pa tudu es pruéza y koraji, N krê parabeniza-l y dizeja-l más susésu na se vida pisual, familiar, prufisional y susial.

Amigas y amigus
Sinhóras y sinhoris konvidadus

Ku ruspetu pa fé, pa krensa y pa tradisan. Ku ruspetu y aprésu pa kultura rilijioza y kristan di nos povu, N krê, na es kuadra festivu - na es
piriudu altu y sinbóliku di manifestasan di amizadi y di amor pa prósimu – dizeja, nhos tudu, um Natal Filiz, djuntu di nhos família y un Anu
Nobu xeiu di saúdi, filisidadi y prusperidadi.
Y pa bo, Montrond, karu amigu, N kre fra-bu, finalmenti, ma N ka da-bu fita  nen midalha, ma N ka ta oferese-bu tasa nen galhardeti, ma N ka
oferta-bu inblema nen bandera y nen N ka traze-bu prémiu y rikonpénsa.
Nu entritantu, ku tamanhu orgulhu di ser kabuverdianu, N traze-bu, sin, un  brindi spesial y diferenti: un regalu agradável y kustozu pa bo; un
patenti karu y prisiozu pa mi;  un prizenti stimadu y kiridu pa nos tudu ki sta sta li prizenti; un oférta pintadu y kuluridu di palavra mimadu y
akarinhadu, sobri nos térra, Kabuverdi, ezaltadu y glurifikadu na dôs puema skrebedu na nos língua  nasional y matérna.
Pur isu, karus konvidadus, N ta pidi pa nhos fakulta-m, más un tenpinhu, pa N podê partilha ku nhos, kontiudu y sentiméntu, spresadu y
ritratadu, na es dôs bélu puema:
Kabuverdi nha pensaméntu

Kabuverdi N ka skese-bu
Mãi kirida N krê sauda-bu
N ta orgulhâ di pirtense-bu
Oi, nha térra N ka nega-bu
       
N ta lenbrâ di bu ribera
N ta guarda-bu sentiméntu
Nen dibaxu-l bu purgera
N ka senti risentiméntu

N ta lenbrâ di bu pasadu
N ka ta skesê di bu stória
N ta fika ku juis kansadu
N ka ta perdê nha mimória

Bu foi bandonadu y maltratadu
Bu ka kulpadu pa bu pobréza
Bo é indipendenti y libertadu
Má bu ómi é bu rikéza
       
Térra grandi di speransa
Pikininu di grandéza
Na surrizu-l bu kriansa
Sta sinal di morabéza
       
Dja N pensâ na nha rigrésu
N krê dixe puler di genti
Pa N ba lutâ pa prugrésu
Di Santiagu a Sanbisenti
       
Na Xina ó na Kunxinxina
Bo é mãi di nha sufriméntu
Jirondinu ó Jakubinu
Bo e Kabuverdi nha pensaméntu
       

Eróis di bravura

Nos amor e prufundu
Pa es dés ilha di mundu
Pa es kantinhu sagradu
Pa es terrinha mimadu

Kada pasu di stória
Ten um mar di leitura
Ten rijistu y mimória
Ten eróis di bravura

Inserteza ki fradu
Dja fikâ na pasadu
Oji tudu sta biradu
Kabuverdi sta mudadu

Desdi kanpu te sidadi
Dja nu pasâ flôr di idadi
Dja nu ten maturidadi
Viva, viva, liberdadi!

Nu lutâ ku orgulhu
Pa un futuru rizonhu
Foi simé ki é nos sonhu
Desdi sinku di Julhu

Li ten mar y ten areia
Li ten sol tudu dia
Ten bon klima tropikal
Ten festival y karnaval

Li ten povu bondozu
Ten vulkan majistozu
Ten surrizu y ten gozu
Kabuverdi ki é distinu

Emigranti nhos ben
Vizitanti nhos ben
Tudu mundu nhos ben
Kabuverdi ki é distinu
14 Jan 2014
                  Do Perfil Do Successor De José Maria Neves Na Presidência Do PAICV
Por Agnelo A. Montrond, USA

«Líderes de verdade devem estar prontos para sacrificar sua liberdade pelo seu povo». Nelson Mandela - em discurso em 1998.

Á luz desta sábia frase de Nelson Mandela, e servindo de guia, os fundamentos ideológicos de Amílcar Cabral, o argumento de força que
naturalmente emerge na minha mente é que o próximo líder do PAICV deve estar pronto para sacrificar e pautar a sua liderança pela unidade,
coesão, progresso, e contínua vitória do PAICV.

O successor de José Maria Neves, pouco importa o género,  na presidência do PAICV, será eleito no final deste ano. Embora vários meses nos
separam desse momento eleitoral, acho por bem contribuir e abordar este tópico, numa perspectiva optimista quanto abrangente, transparente e
equidistante, nos termos da seguinte reflexão que cumpre-me cordialmente compartilhar com todos.

Ainda reinam algumas dúvidas e interrogações sobre esta matéria, do tipo: que critérios definem ou caracterizam o melhor candidato ao cargo do
próximo presidente do PAICV?

Tais critérios, algures no fundo do «sakutélu di kel ómi», suscitam alguns corolários:

1. Será o actual vice-presidente do PAICV, Felisberto Vieira «Filú», o candidato natural e óbvio, logo o melhor?
2. Senão, será o actual Secretário-geral do PAICV, Júlio Correia, esse candidato melhor?
3. Ou será quem melhor dá garantia politica da vitória do PAICV nas eleições de 2016?
4. Será quem melhor irá restaurar a unidade e coesão interna no PAICV?
5. Ou será quem representa a vontade da maioria do eleitorado tambarina?

Contrariamente ao que o leitor possa esperar, deliberadamente não irei responder a essas questões por agora, pois a intenção é submete-las à
reflexão do colectivo dos militantes do PAICV, e não só. Porém, cumpre-me apelar para que a eleição do próximo presidente do partido seja
«unbiased», democrático em toda a acepção do termo, válido e fiável. Que não seja erroneamente entendida como um acto de exclusão de
nenhum líder, mas sim de inclusão de todos na liderança participativa exercida pelo próximo presidente eleito.

Que o próximo presidente não seja um arrogante comandante supremo e súper do partido mas sim um mobilizador e federador capaz de atrair
seguidores e influenciar atitudes e comportamentos progressistas; que esse presidente não seja um chefe ou uma autoridade partidária, mas
sim um motivador e influenciador dos seguidores, com base na ética e sempre do lado da razão e da maioria.

Que seja um presidente consensual, credível e fiável, com ressonância global, capaz de liderar, do topo à base e vice-versa, todas as
potencialidades em prol do empoderamento do partido; capaz de fortalecer o partido, de angariar e multiplicar votos e disputar de forma vitoriosa
as próximas eleições legislativas, renovando assim a confiança do eleitorado com o sentido do dever cumprido e ainda por cumprir ; de
incrementar e impulsionar o processo de desenvolvimento; um presidente que seja capaz de colocar os interesses do partido acima de
interesses, determinações e ambições individuais.

Bem-haja o presidente simples e humilde que não se concentre tão somente no problema mas essencialmente na solução e na qualidade de
servidor da plebe; que aposte na paridade acertada entre líder e seguidores; que avalie constantemente o caminho percorrido e ainda por
percorrer, sempre pronto a movimentar o leme no rumo certo; que saiba melhor do que ninguém que liderar é agir e não é cargo elitista.

O partido regozija-se com um presidente carismático, disciplinado, respeitador, e flexível, capaz de influenciar a paz interna, mimar o sossego da
estrela negra, renovar o grito da liberdade, e fazer do PAICV, um partido unido e plasmado na sociedade, virado para dentro e voltado para fora,
cada vez mais o maior e melhor partido de Cabo Verde; transformar Cabo Verde num país cada vez mais moderno, mais competitivo e
respeitado, com mais e melhor qualidade socioambiental, com um povo cada vez mais humanista e orgulhoso da sua nacionalidade.

Sonhemos com um presidente que, em sintonia com os legados dos históricos e carismáticos líderes, seja capaz de valorizar as valências
juvenis, apostar nos recursos humanos, e assim levar o país para além do Desenvolvimento Médio, estabelecendo parceria com o Mundo,
realizar os objectivos de desenvolvimento do milénio, e assim edificar as necessárias grandes convergências.

aamontrond@yahoo.com
11/11/2014

                                         Lembrando Miguel Travassos Rodrigues
Por: Agnelo A. Montrond, USA

«Kind words can be short & easy to speak, but their echoes are truly endless.»  Mother Teresa

No dia 11 de Novembro, pf, completa um ano que Miguel Travassos Rodrigues (07/15/1957 – 11/11/2013) partiu para a eternidade, deixando em
nós, lamento, lágrimas e saudades de um amigo, um filho, um irmão, um Mosteirense, um exímio «fidju di Djarfogu», sereno, com qualidades
superiores e raras, e uma invejável simplicidade.

Deveras, custa lidar emocionalmente com a prematura partida de Travassos. Não há palavras que sejam capazes de compensar a imensidão da
triste, incomoda e inexorável dor que ainda invade o coração da minha querida madrinha Queta, e os das irmãs Armanda, Solange, e Maria.

Amigo de todos, Travassos foi uma figura, um cidadão do Mundo, que à imagem do seu pai, e meu padrinho, Armando José Rodrigues, inspirava
concórdia e solidariedade.

Travassos, agora que és uma música cuja melodia alegra o firmamento, com notas que tocam anjos, santos e Deus nas Alturas, nem um
minuto, nem uma eternidade de silêncio, consegue calar os magoados e gemidos soluços dos Mosteiros, que abalam o Mundo.

Em mim, assim como em todos os familiares e amigos, Travassos deixou uma enorme mágoa e um cavado vazio.  

Entre a terra e o céu hoje estamos deste outro lado. No porvir estaremos todos na dor de uma lágrima, eternamente juntos, ao teu lado.

Travassos, viverás para sempre na nossa memória colectiva. Paz e eterno descanso à tua alma no Éden.

Até sempre Travassos.

aamontrond@yahoo.com
2 Nov 2015
                                         O papel da mídia cabo-verdiana em Brockton
Por Agnelo A Montrond, EUA

No contexto social moderno, a mídia, seja ela televisão , cinema, rádio, revistas , jornais, internet, entre outras, deve afigurar-se como um
elemento fundamental na formação e na formatação da opinião pública, através dos conteúdos que veicula, assumindo o seu papel de
instrumento público e regulador social responsável para gerar  comunicação e informação.

Compete à mídia  informar a comunidade sobre todos os assuntos da atualidade: saúde, educação, política, segurança, cultura, desporto, entre
mais.  Ela deve operar   com base na ética e deontologia jornalística, pautando pela imparcialidade e transparência e nunca aliar-se ao poder
circunstancial. Deve estar sempre em cima dos acontecimentos e apresentar informações completas.  Nunca deve omitir, negligenciar, ou
escamotear em função de interesses pessoais, ou de grupos privados, afirmando assim que está sempre do lado do cidadão,  
proporcionando-o a oportunidade para analisar e comparar  a informação,  tornando-o um cidadão consciente e crítico.

Mas tais desideratos são reféns da forma como se faz a mídia e de quem a faz. E a questão que se coloca é a seguinte: como deve a mídia
influenciar e informar a sociedade cabo-verdiana em Brockton?
A nossa mídia em Brockton deve assumir a responsabilidade social que lhe cabe e evitar desvirtuar o seu papel e a sua função e nunca ficar
aquém das balizas estabelecidas para o seu bom desempenho, com isenção, rigor, relevância e sinceridade. Nunca deveria desvirtuar-se para
desvirtuar uma comunidade inteira.

A democracia devia funcionar na comunicação social cabo-verdiana  em Brockton, mormente a nível de alguns animadores de programas
radiofónicos, que de forma ligeira e talvez insustentada, fogem às regras de jogo democrático, promovem, apoiam e fazem campanha para
alguns candidatos, e não dão oportunidades aos outros candidatos que ficam lesados e sem a oportunidade para contactar  os eleitores e
explicar os seus planos, estratégias e visões.

Deviam distanciar-se e manter-se equidistantes enquanto formam e informam os eleitores sem manipular ou distorcer informações e sempre
colocar os interesses maiores da comunidade acima de tudo e de todos.

A postura acertada seria  socializar e explicar de forma pedagógica e clara as plataformas eleitorais de todos os candidatos, sem dar indicação
de voto aos eleitores nem estar nas frentes das campanhas de forma avulsa, potenciando-os e capacitando-os os para exercerem os seus
direitos de voto de forma autónoma, livre, independente, informada, e consciente, no candidato que melhor dá garantia de defender os seus
interesses, e resolver os problemas que o afectam, que afectam os seus familiares, amigos, vizinhos e a sua comunidade. Seria uma forma
justa  de conquistarmos mais respeito pela nossa comunicação social. O jornal «The Brockton Enterprise» é um excelente e perfeito exemplo a
seguir: traz ao publico informações pertinentes relativas a todos os candidatos, e alguns dias que antecedem as eleições, endossa
publicamente um candidato a mayor.

Os activistas e/ou pseudo activistas sociais cabo-verdianos, não os «fazedores da comunicação social»,  deviam  negociar com os candidatos
um pacote faseado que beneficia a comunidade cabo-verdiana e assim sustentar o apoio dos cabo-verdianos ao candidato que melhor o
merece.

Está fazendo muita falta esse órgão regulador da comunicação social nos EUA, a CVAMA,  Associação dos Mídias Cabo-verdianos-Americanos,
uma organização  social sem fins lucrativos, apartidária e arreligiosa, cuja missão é coletivamente promover e suportar um sistema de
informação sustentado no seio da Comunidade Cabo-verdiana Global, que zela pela  elevação moral e pelo cumprimento do código da ética
jornalística, e aposta no empoderamento dos seus membros, proporcionando-lhes oportunidades contínuas de formação e desenvolvimento
profissional.

aamontrond@yahoo.com