CABO VERDE, acaso da Natureza, ou ideia de um   Ser Superior !  

                                            Na criação ou aparecimento do nosso planeta Terra, passado  
                                  algum tempo, houve uma tremenda esplusão, dando origem a um
                                  grupo de ilhas, a que mais tarde, vieram a receber o nome das  Ihas
                                  de  Cabo Verde.   Seja como for…   
              
                                                                                        
Entra Cabo Verde…   
© www.topicos123.com - Produzido por um grupo de amigos - Envia sua opinião para recado123@hotmail.com ou santacatarinafogo@hotmail.com
Your name:
Your email address:
Your phone number:
Comments:
Maio 23, 2010
  FESTA DE NHO SAN FILIPE EM LISBOA PORTUGAL
Nas fotos gentes celebrando a Festa de Sao Filipe em Portugal, esta festa como todos os Cabo-verdianos
sabem celebra se todos os anos nos ultimos dias do mes de Abril e termina no grande dia um de Maio.
Bom saber que a nossa cultura continua vibrando cada vez mais forte nos coracoes das nossas gentes,
trazendo nos um Cabo Verde cada vez mais perto.
Fotos cortesia Amelia,  Lisboa Pt.
20 Jan 2011
HISTORICO DIA DE CABO VERDE

Vinte de Janeiro, um dia histórico e memóravel para o Povo de Cabo Verde, neste dia lembramos os nossos
herois que tornaram o sonho em realidade e que deram suas vidas para que possamos ser um povo
soberano.
Portanto se a ideia da luta pela indepêndencia foi para libertação nacional,  então, fazemos com nos
libertemos de pré-conceitos prejudiciais na nossa sociedade, honrando os nomes dos nossos combatentes
principalmente Amilcar Cabral e, entender cada vez mais que  democraticamente podemos ter uma
democracia melhor.
                                  CONSULADO CABO VERDE, BOSTON, MASSACHUSETTS
                                                          UMA PRÁTICA MENOS LEGAL

Um consulado, representando um país, deve estar sempre disponível a servir a comunidade democraticamente, imparcialmente, transparentemente e nao deve
nunca estar em competição com a mesma.

O Consulado Geral de Cabo Verde, em Boston Massachusetts, precisa estar mais em conformidade com as regras do país em que está instalado, servindo e
apoiando a sua comunidade de uma forma mais democrática e transparente.

A comunidade Cabo-verdiana no estado de Massachusets, mais precisamente nos arredores de Boston, Brockton, e naoutras  localidades circunvizinhas é
bastante diversicada em muitos aspectos.  Muitos dos emigrantes  Cabo-verdianos que residem há muitos anos na jurisdição do Consulado de Cabo Verde, em
Boston,  estão bem informados dos trámites e processos que um consolado dum país estrangeiro  deve seguir aqui  no Estado de Massachusetts,  obdecendo e
cumprindo as Leis Oficiais estritamente reguladas pela Constituição Estatal e Federal dos USA.

Alguma parte da comunidade, infelizmente desconhecem  ou não estão bem informados sobre algumas ilegalidades ou a burocracia que o Consulado Geral de
Cabo Verde em Boston Massachusetts, está praticando em deternimento dos seus direitos.

Quando haja a necessidade de se tartar de alguns assuntos  legais de interesse pessoal ou mesmo professionais junto do consulado, como  documentos de
reconhecimento de assinaturas,  prova de residencia do emigrante, passaportes, e outros documentos a  serem enviados para Cabo Verde tudo, deve ser feito
para que o processo decorra transparentemente e sem qualquer fishing.

Não se pode entender por exêmplo, as aparentes ilegalidades do polo do Consulado de Cabo Verde  na cidade de Brockton, e possivelmente noutras localidades
onde quando um individuo, um chefe de família, um estudante, um trabalhador  etc, precisa de algum serviço consular, tem que  perder um ou   dois dias talvés
mais,  para  somente autenticar uma assinatura notarial,  ter de esperar ou gastar todo este precioso tempo, esperando que o documento seja  enviado para
Boston somente para autenticação de uma simples assinatura que podia ou devia ser autenticada no mesmo lugar, evitando assim ao emigrante o disperdício do
seu tempo e dinheiro  para  deslocar se outra vez para receber o documento em vez  de este mesmo documento ser autenticado no mesmo dia ou no mesmo
instante, fazendo assim um servico eficáz e correcto.

O emigrante aqui nos EUA, trabalha mesmo duro e o seu tempo quando não está no trabalho é muito precioso  para  a sua familia, para si próprio, e para sua
comunidade, nao reconhecer estes fáctos é não estar em dia com a situação emigratória do emgrante.

Um consulado, deve estar sempre em sintonia com a população jurisdicional  que serve e   nunca competir com a comunidade para obter receitas para seu
funcionamento  ou desviar atenção da pessoa num intuito de ter mais receitas.

Quando um Notario Publico, em Massachusetts, autentifica uma assinatura num documento escrito ou redigido por um indivíduo ou pelo próprio, combrando
apenas pela sua autentifição e enviado depois para o Consulado de Cabo Verde, em Boston, Massachusetts, para uma outra autenticação, lá normalmente o
preço é muito superior ao estabelecido pelas normas notariais estatais.

A ética ou a maneira dignificante e progressiva de uma agência estrangeira  como um consulado radicada nu outro pais é muito importante no relacionamento
comunitário duma sociedade.

Quando um consulado ou representantes deste mesmo não respeita ou muitas vezes não toma em consideração  o serviço notarial de um Notário Público, pondo
em causa seu trabalho é mesmo anti-ético e provavelmente illegal.

O Consulado de Cabo Verde, em Boston, MA,  e seus representantes, por muitas vezes, fazem prática de dissuadir uma pessoa dividamente indentificada num
serviço notarial, pondo em causa o trabalho feito pelo Notario Publico, sem nenhuma explicação ao dizer que tal documento não está bem feito, ou somos nós que
temos o direito de o fazer;  isso  é um procedimento mesmo ilegal.  

Aconteceu por várias vezes nos últimos dias,  este é um caso específico em  que  o BCA de Cabo Verde, fez um pedido aos emigrantes para apresentarem o
documento Declaração de Prova de Qualidade de Emigrante ou Equiparado, em que muitas pessoas foram financeiramente lesadas por este serviço consular
porque alguns funcionários instaram algumas pessoas,  dizendo que o documento feito pela pessoa ou pelo Notário Público não estava bem feito ,  e que, deve
ser feito no consulado; consequentemente cobrando um preço bastante superior comparado ao custo do documento  préviamente e devidamente redigido, e em
conformidade, feito pelo  Noário Público ou pelo dono.

Os Notários Públicos, licenciados ou autorizados oficialmente  pelo Estado de Massachusetts  a prestarem serviços neste estado, são partes integrantes da
comunidade, prestando ou estando disponíveis a servirem a população sem qualquer discriminação, cumprindo as regras oficiais estabelecidas pelo seu
mandato ou sua comissão. Os Notários Públicos em Massachusetts, são nomeados pelo  Oficial do Escritório do Governador do Estado com um mandato ou
comissão de sete anos.  Quando um Notário Público é solicitado para autenticar uma assinatura, o preço da autenticação, varia entre cinquenta centavos, a cinco
dollars, dependendo da  categoria do documento, mas quando comparado com uma autenticação consular, a diferença é mesmo enorme,  acrescentado de
outras clausulas e constragimentos que nada beneficia o emigrante.

A Delegação de Poderes numa comunidade ou sociedade e num país estrangeiro ou qualquer país, deve estar em sintonia com as regras oficiais da Lei, e evitar
procedimentos menos legais, evitando possíveis infrigimentos que de nada beneficia nehuma das partes envolvidas.

Espera se que se tenha mais atenção ou mesmo medidas certas sejam  tomadas, por quem de direito, para que o Consulado de Cabo Verde em Boston, esteja
mais em conformidade e seja  transparente em relação a comunidade, facilitando assim seu melhor desempenho comunitário.

Joaquim Fontes
Notary Public  & Justice of the Peace
Randonlph USA
September 30th, 2012
www.topicos123.com
13 Jan 2013
DIA 13 JANEIRO HISTÓRICA DATA DE CABO VERDE

Caros cabo-verdianos e cabo-verdianas

O povo cabo-verdiano celebra este Domingo mais um aniversário do 13 de Janeiro, dia da liberdade e da democracia.

Há 22 anos, o povo cabo-verdiano fez história na sua luta pela liberdade. Já o tinha feito a 5 de Julho de 1975 quando da independência. Voltou a fazê-lo
a 13 de Janeiro de 1991 para derrotar o partido único e começar a implantar a democracia.

Não se trata de um dia qualquer. É, tem de ser, uma data memorável para Cabo Verde. Não porque o MpD nesse dia ganhou as eleições ao PAICV.
Mas porque foi o dia em que se realizaram as primeiras eleições livres e democráticas na nossa história e depois de 15 anos do regime de partido
único. Porque nesse dia se realizaram as eleições fundadoras da democracia.

O 13 Janeiro é também importante porque permitiu eleger um parlamento plural, que resultou, pela primeira vez, da livre vontade dos cidadãos e não da
imposição de um partido.

É ainda importante porque permitiu lançar as bases para a criação em Cabo Verde de um ambiente de democracia e de liberdade, num ambiente de
paz e de tranquilidade.

Por isso, o 13 de Janeiro não é pertença de nenhum partido, é do povo de Cabo Verde, é de todos os cabo-verdianos e cabo-verdianas.

Há 22 anos que o povo de Cabo Verde foi às urnas, livre e democraticamente, para fazer uma escolha fundamental: entre a ditadura e a liberdade.

A escolha foi clara: o povo votou na democracia e na liberdade. A opção foi inteligente: o povo votou na esperança.

Caros cabo-verdianos e cabo-verdianas

O povo cabo-verdiano celebra o 13 de Janeiro no momento em que o país atravessa graves dificuldades por culpa das políticas erradas do governo: a
economia não cresce, o custo de vida aumenta, o desemprego e a pobreza também e a dívida pública elevou-se tanto que, na prática, se tornou no
ministério que mais gasta em Cabo Verde.

Cabo Verde não vai bem. E os cabo-verdianos sentem-no na pele. Mas temos um Governo que só se preocupa em manter o PAICV no poder e para
quem as pessoas e os seus problemas concretos estão em plano secundário, não são a prioridade.

É necessário um novo 13 de Janeiro para recolocar o país no caminho certo e para devolver a alegria, a esperança e a felicidade aos jovens, às
mulheres e a todos os cabo-verdianos que, com o seu esforço, diariamente constroem Cabo Verde.

Há muito tempo que o MpD vem chamando a atenção do Governo para os problemas que agora se estão a verificar e para o erro das suas políticas.
Mas o Governo e o Sr. Primeiro-Ministro fingem que não ouvem. O país vai viver dias complicados e muito difíceis. Por culpa de políticas erradas do
governo.

Todos os alertas e avisos que o MpD vem fazendo sobre os riscos para o país das políticas do Governo do PAICV foram agora confirmados pelo Fundo
Monetário Internacional.

Mais uma vez, ficou claro que o Governo não diz a verdade aos cabo-verdianos sobre a real situação económica e financeira do país e sobre os riscos
que as políticas governamentais fazem recair sobre nós.

Ao contrário do PAICV e do seu governo, o MpD diz sempre a verdade aos cabo-verdianos.

Por isso, reafirmo que é necessário um novo 13 de Janeiro para recolocar o país no caminho certo e para devolver a alegria, a esperança e a felicidade
aos jovens, às mulheres e a todos os cabo-verdianos que, com o seu esforço, diariamente constroem Cabo Verde.

Caros cabo-verdianos e cabo-verdianas

Vamos viver dias muito complicados e difíceis por culpa de orçamento do Estado para 2013, aprovado recentemente pela Assembleia Nacional.

O MpD insiste em dizer que é um orçamento largamente fictício. É um orçamento de faz de conta, que vai piorar a vida dos cabo-verdianos em vez de a
melhorar.
É um orçamento claramente irrealista e inexequível. Longe de corrigir os males da economia, vai piorá-los.

É esta a forma de governar do PAICV: esconder a realidade, vender ilusões, gerir expectativas, em vez de preparar o país para enfrentar os inevitáveis
choques externos e as exigências da competitividade mundial.

Quero aproveitar esta oportunidade para vos dizer que não estamos perante uma fatalidade, um destino. Está nas nossas mãos, de todos nós, Nação
cabo-verdiana, exigir mais do Governo. Mais transparência, mais responsabilidade e mais respeito pelo sistema democrático.

Quero também aproveitar esta oportunidade para apelar ao povo cabo-verdiano, nas ilhas e na diáspora, para que não desista de lutar. No passado, os
cabo-verdianos provaram que os desafios, por mais difíceis que sejam, podem ser vencidos.
Vencemos na independência; vencemos na democracia. Venceremos novamente.

Precisamos de um novo 13 de Janeiro para recolocar o país no caminho certo e para devolver a alegria, a esperança e a felicidade aos jovens, às
mulheres e a todos os cabo-verdianos que, com o seu esforço, diariamente constroem Cabo Verde.

Desejo a todos um bom 13 de Janeiro.
4 Mar 2013
CARTA ABERTA AO GOVERNO DE CABO VERDE
DECLARAÇÃO DE UM IMIGRANTE NOS ESTADOS UNIDOS DE AMÉRICA, INSATISFEITO
COM A GOVERNAÇÃO EM CABO VERDE.

Eu, CARLOS ALBERTO DOS SANTOS, vivo nos Estados Unidos de America há 18 anos, a partir de 2002, tenho ido para Cabo verde
todos os anos mas, no ano passado de 2012 foi o pior ano de férias em Cabo Verde, derivado de mau governação do governo de Cabo
Verde, fui roubado em mercadorias num valor de 287.000$00 (Duzentos e oitenta e sete mil escudos).

Porque é que o Governo de Cabo Verde não esta tomando as medidas de governação? O Governo, está apoiando os ladrões em Cabo
verde. Eles roubam as coisas das pessoas e não tem justiça para eles. É impossivel quando uma pessoa é roubado e essa pessoa vai
para judiciária fazer a sua queixa, eles mandam a queixa para o Tribunal. O Tribunal é que manda a Polícia procurar o roubo. Roubos
esses que estão a acontecer dentro da ilha de Santiago onde existe incompetência do Governo, porque todos os países do mundo tem
uma penalização, mas em Santiago não existe nenhuma Lei. Eu peço a todas as pessoas que não tem vergonha de roubar que podem ir
lá a essa ilha e roubar sem medo, porque lá, tem uma lei que permite roubar onde quiser, e nem se for apanhado em flagrante, não tem
penalização.

Na minha maneira de pensar, o Governo de Cabo Verde, é corrupto, eles não me deram a menor atenção, eles acham o roubo uma
coisa comum, depois que fui roubado, fui para Televisão para fazerem uma filmagem.  A senhora Margarida Moreira, tomou o meu
número de telefone e o meu nome, mas até o dia de hoje eles não apareceram e não disseram nada.

Noutro dia eu fui procurar outra cadeia de Televisão chamado Record e, em 30 minutos já estavam na minha casa, essa sim, da às
pessoas a melhor atenção. Portanto pode se ver que que a Televisão TCV, está ao lado do Governo, não pode denunciar nada que passa
no país, esse é a favor do crime.

O Governo de José Maria Neves não importa com ninguém. Em alguns bairros da Praia tem a água a sair das torneiras de cor
avermelhada e com ferrugem. Eu tenho pena das pessoas, sobretudo das crianças e velhos que ficam a sofrer anos e mais anos na
mesma situação.
O governo disse que não tem dinheiro para melhorar aquela água, mas, para eles patrocinarem o jogo de 35.000 contos do jogo de 360
minutos na CAN 2013, no Sul de Africa, para isso sim o governo tem dinheiro. Esse governo é imcompetente, pois para melhorar aquela
água não tem dinheiro.

Eu deixo este conselho. A cidade da Praia não tem segurança, se vai para essa ilha, pode esperar que pode acontecer um roubo em
voçé e não tem a quem recorrer. Na Praia, não tem segurança dentro da sua própria casa. Se vai para rua pior ainda.
Um pouco de TCV, Policia e Governo são todos corruptos. A central da Praia, está em falência por causa de 30% de luz que é roubado por
falta de competência do governo de Jose Maria Neves e, as pessoas que tem o contador de luz é que estao a pagar por esses roubos e
tambem as pessoas que roubam a luz uma vez mais nao tem penalização, pois parece que essa é a regra do Governo.

A melhor maneira vamos fazer um abaixo assinado, ja comprei cadernos e toda gente que quer assinar pode assinar para criticar este
descontentamento do Povo e enviar para o Governo do Sr. Jose Maria Neves, para Sr. Presidente da Republica, Jorge Fonseca e outras
instituicoes no estrangeiro.

USA, 03 de Março de 2013
CARLOS ALBERTO DOS SANTOS
1 Abril 2012
      YANCEY HONORS CAPE VERDEAN PRIME MINISTER JOSÉ MARIA PEREIRA NEVES
Boston City Councillor Charles C. Yancey commends Prime Minister of the Republic of Cape Verde, José Maria Pereira Neves, on
March 31, 2013 at the Dorchester House in Dorchester. CHARLES C.. YANCEY

Boston City Councillor PRESS RELEASE

Contact: Kenneth Yarbrough - Chief Information Officer

(617) 635-3131 Fax (617) 635-3067 Page (617) 461-5548

For Immediate Release Tuesday, March 31, 2013

Boston City Hall (March 31, 2013) – Boston City Councillor Charles C. Yancey honored the Prime Minister of the Republic of Cape
Verde, José Maria Pereira Neves, during the prime minister’s visit to Boston on March 31, 2013 at the Dorchester House in Dorchester,
Massachusetts.

Prime Minister Neves was elected President of the “Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV) in June 2000 and his
party was victorious at the legislative elections of January 14, 2001. He has served as Cape Verde’s Prime Minister since February 1,
2001. He previously served as mayor of the District of Santa Catarina.

Councillor Yancey commended Prime Minister Neves’ leadership, which has led to major improvements in the nation’s economic, health
services, social security and educational systems, as well as in tangible infrastructures like roads, airports and major ports.

President Barack Obama met with Prime Minister Neves on March 28, 2013 in the Cabinet Room of the White House, along with
President Macky Sall of Senegal, President Joyce Banda of Malawi and President Ernest Bai Koroma of Sierra Leone.
President Obama called for the meeting with the four African leaders to congratulate them for the progress in their nations and to thank
them for their extraordinary work. He also said the United States would continue to partner effectively with each country.

Prime Minister Neves’ Government has been commended by the International Monetary Fund for its success in overcoming Cape Verde’
s financial crisis.

Speaking through an interpreter, Prime Minister Neves said that although Cape Verde does not have the oil, gold and diamonds found
in other nations, its most precious gems are its people. “Our people are our greatest richness,” he said.
Prime Minister Neves also commended Councillor Yancey for promoting the integration of the Cape Verdean.
MENSAGEM DO GRUPO PARLAMENTAR DO PAICV, POR OCASIÃO DA CELEBRAÇÃO DO DIA 13 DE
JANEIRO

O Grupo Parlamentar do Partido Africano da Independência de Cabo Verde saúda e enaltece o 13 de Janeiro, Dia da Liberdade e da Democracia, exortando os
cabo-verdianos a aprofundarem a sua reflexão sobre o Estado do Direito Democrático e o regime dos direitos, liberdades e garantias a vigorar no nosso País.

Para esta Maioria Parlamentar a data interpela a ajuizar sobre o percurso democrático desde 1990, altura em que se anunciou a abertura política, se fez cair no
nosso Parlamento o artigo 4º da Constituição de 1980 e  se aprovaram as leis dos partidos políticos e se marcaram as primeiras eleições livres e democráticas
para o dia 13 de Janeiro de 1991.

Interpela também a data para analisarmos a 1ª alternância democrática, em que emergem um governo e uma oposição, em que, no ano de 1992, este Parlamento,
uma vez mais, tem a missão histórica e crucial de aprovar a Constituição da República, a 2ª alternância democrática de 2001 e toda a requalificação do Estado de
Direito Democrático até esta parte.

Interpela ainda a gizar a prospectiva do regime das leis e da cultura democrática no futuro, no contexto das opções dos cabo-verdianos pela agenda de
transformação e pela ambição a país de desenvolvimento sustentado e sustentável, desafios que implicam o aprofundamento da democracia interna dos partidos,
o reforço da sociedade civil e a consagração da cidadania cabo-verdiana.

Nesta feliz data da República, os parlamentares do PAICV apelam aos partidos políticos e às instituições do Estado que celebrem a efeméride com sentido de
unidade, coesão e pertença nacionais, recordando a todos que as razões que nos convergem são de longe mais intensas e mais relevantes que aquelas
divergentes e que, por legitimidade democrática, mas sem pôr em causa a estabilidade social e política, fazem parte da nossa forma de ser e de estar na vida.

Apelamos também aos significativos segmentos sociais, sejam o sindicato e o patronato, sejam as demais forças vivas da sociedade civil organizada, a buscarem
no diálogo com as instituições da República as melhores soluções que concitam, de um lado, os seus direitos e deveres, e, doutro lado, o fortalecimento interno e
externo do Estado de Cabo Verde.

O nosso País está bem posicionado nos indicadores que avalizam o estágio das liberdades e da democracia, nomeadamente nos referentes às liberdades e à
boa governação, bem como nas dimensões do Estado de Direito. Estamos entre os melhores do continente africano e da lusofonia, o que muito nos orgulha, sem
nos desviar da ambição de estar entre os melhores do Mundo.

Para o PAICV, reflectindo esta posição neste Grupo Parlamentar da Maioria, a liberdade e a democracia são já dados adquiridos e incontornáveis em Cabo Verde,
mas não são estáticos em sua perspectiva evolutiva, pelo que o processo histórico do futuro exigira mais liberdades e mais democracia, em vários domínios da
nossa vida política, social, económica, cultural e filosófica.

Mais e melhor 13 de Janeiro a cada momento e por toda a Nação Global Cabo-verdiana, constituída pelas ilhas atlânticas e pela vasta diáspora das comunidades
cabo-verdianas no mundo.

Vivam a Liberdade e a Democracia!
Viva Cabo Verde!

Felisberto Vieira
Líder do Grupo Parlamentar do PAICV
INCENTIVAÇÃO COMUNITARIA - CONSULADO CABO VERDE USA  UMA PRÁTICA CONTRA A
COMUNIDADE

Uma comunidade bem informada ou instruida, ajuda e facilita o desenvolvimento socio-economico, harmonia e um bom relacionamento na sociedade.

Por outro lado, uma comunidade mal informada nao consegue facilmente ultrapassar barreiras ou integração ficando sempre a disposição da exploração dos
interesses burocráticos e políticos.

Durante muitos anos a  comunidade Cabo-verdiana aqui nos USA tem sido víctima dos serviços burocráticos da parte do Consulado de Cabo Verde neste país
com uma acentuação crítica nos últimos tempos duma forma pouco transparente para talvez tirar algum proveito das pessoas menos informadas dentro da
comunidade.

Recentemente,  o Consul Geral de Cabo Verde, Sr. Pedro Graciano de Carvalho, emitiu  uma nota oficial muito polémica, estranha e pode se dizer  
anti-comunitária nota pública interditando os serviços notariais dos Notários Públicos nos USA neste consulado, deixando a população a  procurar outras
alternativas.

Depois de a comunidade, os politicos praticamente revoltarem contra esta decisão negativa do Sr. Consul, muitos Notários Públicos reuniram e tomaram a
decisão de deixar saber as autoridades competentes em Cabo Verde sobre este ácto uninalateral e calculada e depois de algum tempo este retrocedeu de uma
forma ligeira emitindo uma nota pouco divulgada ao público onde se diz  que os alguns Notarios Públicos voltam a serem acreditados neste consulado;  mas
mesmo assim com este puxão de orelha a qualidade dos serviços consulares  nao melhorou muito continuando com mais burocracias e pessimo atendimento
como a seguir se pode ver.

Nos USA, para se efectuar uma união civil ou um casamento, normalmente segue se os trâmites legais exentas de nenhuma pretensão burocrática financeira
ou política. No Estado de Massachusetts, as pessoas interessadas, vão no Registo Civil acompanhadas de alguns documentos de indetificação como
passaporte, carteira do motorista, certidão de nascimento etc depois de menos de uma semana, os interessados recebem - depois de pagarem uma quantia
minima - uma autorização oficial para se casarem  perante um Juiz da Paz ou Justice of the Peace autorizado pela Divisão da Informação Pública e pelo
Secretário de Estado de Massachusetts neste caso o Sr. William Francis Galvin dando poderes  celebrar casamentos.

Ora, no consulado de Cabo Verde, quando uma pessoa quer fazer uma procuração de casamento para se casar,  para além do documento da identificação
pessoal e da vontade como é lógico, o consulado criou se desnecessariamente mais um documento chamado CERTIDÃO DE CAPACIDADE MATRIMONIAL,
passado pelo Consul, implicando assim o estado fisico ou mental da pessoa.  Será que o Sr. Consul ou Consulado de Cabo Verde, tem a legalidade de
confirmar ou decidir sobre a capacidade ou estado de saude ou será inccorporou uma clinica medica para dar este expedimento.

Muitas pessoas as vezes precisam de um simples documento para certificarem residencias ou confirmar se está vivo, no entanto o Consulado de Cabo Verde
complica tudo, se um Notario Publico, certificar e passar um certificado de residencia e se este documento for parar neste consulado por um simples
reconhecimento de  uma assinatura  o documento fica na maioria das vezes invalidado, alegando anomalias e obrigando o individuo ou a pessoa a fazer um
outro idêntico documento neste conulado não considerando as dificuldades  que as pessoas vão sentir como por exemplo perda do tempo e trabalho,
dificuldades de nao saberem chegar ao consulado e quando chegaram, se tem necessidade de urgência do documento o custo aumenta muito mais.  

Servir a comunidade transparentemente deve ser a obrigação de uma qualquer agência, quer seja consulados, embaixadasou ou outros escritórios públicos.  

Estes dias pessoalmente pude comprovar tudo isso duma perspectiva muito diferente. Um mandato ou uma licença de autorização para celebrar casamentos
aqui no Estado de Massachusetts, USA, dura sete anos e quando terminar  se a pessoa quizer fazer a renovação tem que cumprir os reguisitos legais.

Relacionado com tudo isso e sobretudo com este último parágrafo, esses dias desloquei a Boston a Secretária do Estado de Massachusetts, situado em One
Ashburton Place, Room 1779 Boston, MA 02108-1512 e aproveitei de levar comigo um documento da Associação Projécto Santa Catarina Fogo-USA
(APSCF-USA), relacionado com três encomendas que esta associação comunitária não lucrativa e nem politica, mandou para as pessoas de Chã das
Caldeiras, víctimas da erupção vulcânia que tem estado nas alfandegas na ilha do Fogo há mais de quatro meses devido a burocracia alfadegaria existente
documento que exigiram certificação no consulado de Cabo Verde que em vez disso foi certificado na Secretária de Estado de Massachusetts em menos de
cinco minutos, pagando seis dollars.

Encontrei neste mesmo escritório várias pessoas de outras nacionalidades que estavam enviando documentos para seus respectivos paises  que estavam
precisando de reconhecimentos de assinaturas. Estas pessoas estavam sendo atentidas no momento pagando seis somente seis dollars e o melhor sem
pagarem taxas de urgências.

Isto é  uma boa alternativa para ultrapassar certas burocracias existentes no Consulado de Cabo Verde relacionados com documentos oficiais, porque segundo
muitas fontes o acordo internacional de Haia permite o nosso pais receber documentos oficializados enviados dos USA e vice versa.

CONSULADO DE CABO VERDE UMA MELHOR INCENTIVAÇÃO COMUNITARIA
Um bom Verão a todos.
J. F.
www.topicos123.com
11 Julho 2015